quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Ouch...

Crayola & Brushpen Lettering Set 2 on Behance:


E quando se anda entusiasmadíssimo com a nova rotina do ginásio, quando se começa a conseguir estabelecer uma sintonia boa entre o corpo e a mente, quando se espera ansiosamente pela aula seguinte, pelo desafio de sexta, por uma semana cheia de adrenalina e boas vibrações, o que é que acontece?
Uma contratura na lombar.
Não sei como. Não sei ao certo quando. Não sei se foi um jeito, se peguei em qualquer coisa e não me lembro, se é deste frio repentino, se foi por ter tido calor de noite e me ter destapado, mas a cabrona está cá. E está a dar-me cabo dos planos. E da cabeça. Para não falar nas costas, claro...

Breathe in, breathe out...

*
*

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Oi?!!

Harry potter:




Um dia destes estava no duche do gym e... como dizer? Cheirava mal. Muito mal.
Enquanto me questionava o que diabo se passava com a canalização, eis que ouço um dos meninos que chegava da aula de natação infantil:
- Ó mãe, também posso fazer chichi aqui?
- Podes filho, mas vê lá, só chichi...
A sério?...
No duche?

Noutro dia, estava na sauna e entra uma senhora vinda da hidroginástica. Entrou, fechou a porta e três segundos depois, levantou-se para "abrir um bocadinho a porta, que está abafado aqui dentro"...

Vou escrever aos senhores da administração do gym para lhes perguntar o que diabo andam eles a pôr na água da piscina.
Coisa boa não é!


*
*

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Sweets for my sweet!

hummingbird bakery. The most amazing cakes. It's impossible to go past without buying one.:
Mostro-vos uma foto da minha ideia do Paraíso - The Hummingbird Bakery em Londres, ou o melhor Red Velvet do mundo e arredores! - Meu Deus!



Sei que pode parecer uma parvoíce, mas eu ando sempre a pensar em doces. Sempre, mas assim, sempre mesmo. Todos os dias. 
Acho que é coisa de família, porque somos todos muito gulosos, e desde pequena que como doces sem grandes contemplações ou culpas. Sou até daquelas pessoas que deixa de comer a comida à refeição para ter espaço para a sobremesa, mesmo que seja uma açorda de marisco do Telheiro! 
Tudo me serve, chocolates, bolos, pudins, crepes, compotas, gelados, cenas com massa folhada, cenas com leite condensado (amo cenas com leite condensado), bolachas, enfim, tudo! 
Já sei que o açúcar é o demónio reencarnado que faz mal a tudo e mais alguma coisa, que dá cabo do corpo, da saúde, que envelhece e papati-patatá, mas... faz-me bem à alma! Adoro!

O problema é que o mesmo corpo que procuro manter saudável com exercício e com uma alimentação boa (lá está, excetuando os doces), está a enviar-me sinais de que já chega, já atingi a minha cota de açúcar para duas vidas, pelo menos. Há alturas em que me esforço de verdade para moderar o consumo e habituei-me a fazer aquela coisa parva que é não pôr açúcar no café, mas... depois acompanho o próprio do café com um cupcake! Eu tenho problemas, bem sei.

Por isso, agora estou a tentar resistir ao consumo desvairado de coisas doces, vou deixar só para os dias especiais e um cheat day por semana, em que ainda assim não me posso enfrascar até cair, porque depois vêm as cólicas, as dores de estômago, as dores de cabeça e etc e tal. 
Sei que consigo, porque o açúcar é viciante mas não é difícil de deixar, é assim tipo uma droga levezinha! Tenho bolachas em casa, tenho chocolates, latas de leite condensado e tudo o mais, mas não os vou comer; só preciso de saber que estão ali. Como diz o Nuno, daqui a uma semana já não sinto este desejo todo de comer doces.
Mas até lá, caraças, não penso noutra coisa! E por favor, que ninguém me meta um bolo à frente, que eu vou-me a ele!

*
*

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Seriously?

30 Motivational and Inspirational Picture Quotes:




Se um dia explicasse às pessoas o medo, não, o pavor, que tenho de adoecer e/ou de morrer, iam todos achar que sou completamente louca.
E o pavor que tenho que o Nuno adoeça e/ou morra?
É doentio, passo a redundância...
E ainda vai acabar comigo!...

*
*

domingo, 11 de outubro de 2015

A minha onda

#yoga love:


Na quinta feira consegui finalmente ir a uma aula de yoga.
Foi tudo o que esperava e ainda mais.
Já não me lembrava de algumas coisas, mas as pernas cruzaram-se instintivamente na posição correta, as mãos juntaram-se também na ordem certa e pouco tempo depois sentia-me como se nunca tivesse parado de praticar.
Voltei a fazer coisas que me esqueci que conseguia fazer, fiz até a mesma invertida que me magoou tanto há uns anos.
E correu tão bem, gostei tanto, tanto. Deixei-me tomar pela emoção.
Já não me lembrava como o yoga me faz bem, como fico mais serena, mais quieta, e sobretudo mais otimista no fim de cada aula. Lembro-me que era exatamente assim que me sentia antes. Acabava a aula sempre com a sensação de que tudo ia correr bem, que o mundo lá fora era bom, que rodava no sentido certo.
Nos últimos tempos esqueci-me um pouco destas sensações.
Por isso, tomei uma decisão: vou ter de alternar as aulas de terça e quinta (zumba e anti-gravity) com yoga. Sei que vou prescindir de algumas aulas de zumba que também me divertem imenso e me fazem bem, mas não vou de todo ficar a perder.

Acho que na nossa vida há alturas para tudo. Até podia ser aquela pessoa que vai a todas as aulas de cycling, de airfit, de pump - porque gosto de todas estas modalidades - mas nos últimos tempos tenho sentido um prazer imenso, uma satisfação tão grande noutro tipo de registo, mais ligado ao interior.

Este último ano foi uma espécie de "ano sabático forçado", em que tive de trabalhar a um ritmo mais lento e em que tive tempo para pensar muito em mim.
Descobri muitas coisas, e embora precise de adrenalina e me sinta bem a suar as estopinhas com uma barra aos ombros, também preciso de aprender a ver o tal triângulo prateado no intercílio, que tanto me custa a encontrar e manter quietinho.

Agora é altura de calma, de esforço físico com outro ênfase, com outro ritmo, com outras dificuldades. Com outras recompensas.
E tenho a certeza que tudo vai correr melhor!

log out.:

*
*