sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Encontros Inesperados



A Biatriz é fã! Naturalmente!

Depois de um almoço delicioso que meteu polvo, chocos e tarte de maçã, encontrámos duas amigas que já não víamos há muito tempo. A mais pequena já tem cinco anos e há dois ou três que não estávamos juntos. Imaginem a nossa surpresa quando olhámos para ela e vimos uma menina linda, muito coquette e simpática. Foi um encontro inesperado e ainda mais delicioso que o almoço.

É tão giro ver os nossos amigos felizes e com filhos felizes, bem-dispostos e conversadores! Sabe bem ver que a afinidade que nos une aos pais se transfere para os filhos!

E mesmo sem saber, tinha saudades delas! Só faltou o papá!


Isto faz-me pensar que a nossa vida de crescidos é por vezes muito estúpida... Temos pouco tempo livre, mas quando o temos preferimos ficar enterrados no sofá a vegetar em frente à televisão em vez de nos pormos a mexer e cultivarmos as nossas amizades. Não é que as pessoas deixem de gostar umas das outras, mas aos poucos vai-se perdendo o hábito de socializar, de saber da vida uns dos outros, de estar presente só porque sim.

E quer dizer, moramos a uns dez quilómetros uns dos outros!


A despedida foi regada com beijinhos, abraços e colo, como se nos conhecesse de toda a vida e nos tivesse encontrado na semana passada!

E é assim que a Biatriz nos deixa com um sorriso de orelha a orelha e muita vontade de nos encontrarmos, todos, depressa!

Espectáculo!


*

*


quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Ah Pois é!!


Então não comi, Mariinha?!!
Agora vou correr!
*
*

...



Mas hoje só me apetece estar quieta...
E comer doces...

Fuck!

*
*

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Mimo, Colo e Outras Delícias

Não consegui esperar! Mas tu já sabias que ia ser assim, não sabias?!!


Faltam poucos dias para os meus anos e ando em contagem decrescente há algum tempo.

Gosto de fazer anos, gosto do meu dia, de me sentir especial.

E pode ser uma grande futilidade e sinal de mimo, egocentrismo, espírito consumista, o que quiserem, mas adoro receber presentes. Adoro olhar para as coisas embrulhadas e rasgar o papel - não, não guardo os papéis para o Natal nem para a prenda de ninguém - rasgo, mesmo, sem cerimónia! E não consigo esperar muito tempo para os abrir!


Com esta ideia em mente - a de que adoro receber presentes - importa dizer que nem sempre é o presente que me entusiasma, mas sim o gesto de quem mo comprou. O carinho de olhar para uma coisa e trazê-la para mim. O cuidado, o mimo e a bondade que o gesto implica. É coisa para me deixar enternecida, comovida, a sentir-me um bocadinho mais importante!


Faltam poucos dias para os meus anos.
E já me comovi com um gesto carinhoso de uma pessoa que, paulatinamente, foi entrando na minha vida.
Comovi-me pelo presente e pelo gesto!

Adorei!
Thanks, hon!


*

*