sábado, 30 de janeiro de 2010

Uma Coisa é o Amor...


Tão lindo.
Onde pertence o amor?...

*
*

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Cadáveres em Decomposição e Potenciais Etarras!

Imagem tirada da Net



O meu prédio fica numa zona agradável, tem um aspecto agradável e os meus vizinhos são quase todos casais jovens também eles de aspecto agradável. (Simpáticos ou não, isso já é outra conversa.)As senhoras da limpeza vêm duas vezes por semana e fazem o seu trabalho agradavelmente.

A escolha da palavra (agradável) não é ocasional.
É que não há nada de luxuoso ou opulento no meu prédio, mas também não é nenhum buraco; por isso, o saldo é... pois, adivinharam: agradável.

Há três ou quatro dias apoderou-se do átrio do meu andar um cheiro pútrido que me deixa doida de cada vez que ponho um pé fora de casa!
É qualquer coisa entre o peixe podre e um caso grave de flatulência aromática!

Nada agradável, portanto!

Descartadas todas as possibilidades, ninguém me convence que não vive entre nós um Hannibal Lecter e que num destes apartamentos não há um cadáver em avançado estado de decomposição!

A sorte dele é que não há CSI Braga, senão estava feito ao bife.
Era haver um Horacio Cane nesta cidade, a ver se o pivete não metia pernas a caminho!

Entretanto, cada vez que saio de casa, subo o lenço ou cachecol, de modo a tapar o nariz e inspirar não o pivete, mas um agradável perfume. (Desta vez o agradável devia ser substuído por delicioso, maravilhoso ou qualquer outro adjectivo terminado em oso, mas a bem da coerência lá fica agradável!!)

E um dia destes ainda me confundem com uma etarra!


*

*

sábado, 23 de janeiro de 2010

Um Pouco Menos de Ar...

Imagem retirada da Net



Porque é pena quando as coisas boas chegam ao fim...

[...]
Estes, tiveram temporariamente uma janela aberta para dentro de mim.
Viram um pouco de mim. Mas não tudo. Nunca o essencial.
[...]
Nikky

Se um dia decidir acabar com este registo caótico das minhas paranóias, vai ser com esta citação.


*
*

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Brinquedinho Novo


Ser irrequieto como só eu, há algum tempo que me andava a "comichar" ter o portátil avariado e não poder pegar no trabalho e ir para outras paragens.

Gosto de mudar de localização frequentemente e já me estava a saturar ter que estar sempre no escritório, virada para a mesma parede, a olhar para as mesmas coisas.

Na impossibilidade de mudar (mais uma vez) a disposição dos móveis - agora tenho prateleiras nas paredes e uma secretária monstruosa que não me cabe em mais lado nenhum!! - e dada a pouca confiança que o portátil me oferecia - não liga o wi-fi e não faz gravações automáticas!! - lá metemos pernas a caminho - da Fnac, leia-se - e comprámos o computadorzinho mais catita dos últimos tempos.

É um simples Notebook, pequenino, fófinho e muiiiito portátil!!

Já me estou a ver a trabalhar no sofá, na cama, na cozinha, na sala - onde me encontro as we speak! - enfim, em todo o lado e mais algum.


E viva a mobilidade!

Sim, que a pior coisa que me podia acontecer era trabalhar vinte anos no mesmo escritório, na mesma sala, a olhar para a mesma janela e a ver as mesmas pessoas...


Tenho de agradecer ao gajo lá de cima por me ter mostrado o caminho para esta profissão maravilhosa que posso exercer em casa... no sofá!!


Thanks, man!


*

*

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Sintonia!




Diz que sim.


E é bom.




*


*


segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

E Dura e Dura...


Ando sem inspiração, sem energia e no fim dos dias não me sobram palavras para aqui colocar.
Esgoto-as todas no trabalho.
E vai ser assim até Junho. Pelo menos.
Adoro o meu trabalho, mas às vezes enerva-me olhar para trás e ter a sensação que os dias são todos iguais.
Se fechar os olhos, vejo teclados a passear-me pela cabeça, páginas a voar em direcção ao infinito e uma janela que dá para o mundo, mas por onde nunca saio. Limito-me a olhar para ela e para as letras que lá vão caindo. As páginas que vão aumentando, o cansaço que nelas se reflecte.
Procuro sair de casa para "desanuviar" mas até no meio das minhas aulas favoritas dou por mim a pensar, devia estar a trabalhar em vez de estar aqui...

É lixado quando um livro nos suga desta maneira.
Quando exige tanto esforço como escalar o Everest.
Nunca mais acabo esta merda...


*

*

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Armani Lost His Mind!

Não, este comentário não tem foto - a minha religião não me permite publicar fotos do Crishiano Rónaldo!


É de mim, ou aquelas fotos da campanha da Armani estão um bocado abichanadas?!
Livra!!

*
*

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Tal & Qual!

Imagem tirada da Net




A minha falta de paciência verifica-se em muitos aspectos quotidianos.

Não tenho muita paciência para esperar - procuro chegar sempre a horas quando tenho alguma coisa marcada, porque também não gosto de fazer ninguém esperar por mim e detesto quando me deixam a apanhar seca; Não tenho paciência para criancinhas birrentas - já sei que não é muito pedagógico, mas um bom par de palmadas era capaz de resolver muita coisa...; não tenho paciência para gente idiota, nem para gente que passa a sessão inteira de cinema a comentar o filme, a descrever as cores e a ler legendas em voz alta.

Por amor da santa! Toda a gente que vai ao cinema ver um filme a 3D é porque, à partida, consegue ver, enxergar, distinguir cores, ver que as folhinhas parecem mesmo estar a cair à sua frente! Chiça!

"Ai que lindo! Olha! Parecem mesmo reais!"
"Ai, olha as cores!"
"Ai, que este veio mesmo na minha direcção!

Ai caramba, que já não te posso ouvir!

Ontei fui ver o Avatar**. Que é um filme extremamente gráfico, visualmente forte e cheio de cor. Mas que me lembre, a porcaria da taxa 3D (dois euros?! DOIS EUROS?!!) não incluía comentários audio nem a sentença final:

"Ai, é tal e qual como o Senhor dos Anéis. Só estava à espera de ver a árvore ganhar vida e começar a andar!"

Excuse me?!
Então tanto comentário e a criatura achou o filme igual ao Senhor dos Anéis?!
E estar caladinha para ver se pescava alguma coisa daquilo, não?!!

Enfim, o problema é meu que não tenho paciência!

Só pode.

E é frequente não ter paciência para as minhas próprias merdas - sim, a teoria do par de palmadas também se aplica!




** Sobre o filme em si, gostei mais do que estava à espera. Achei a história linda (sim, já sei que é o mesmo argumento de sempre, mas a maneira como está apresentado cativou-me), e as cores fascinaram-me. Não pude deixar de questionar repetidamente quem é que se lembra daquele tipo de criaturas, flores, formas e cores e de admirar o dom fabuloso que é a imaginação.

Óscares? Hell, yes!!


*

*

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Eu Não Sei Parar de Ouvir...

Esta é uma daquelas questões, quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha?
Ambas as músicas são lindas, iguais diria mesmo. Vozes diferentes, letras ligeiramente diferentes, mas a mesma sensação de quentinho cá dentro quando ouço qualquer uma delas...


Ana Carolina e Seu Jorge - É isso aí






Damien Rice - The Blower's Daughter




Lindas, melancólicas q.b., enternecedoras...
Depois de as ouvir, apetece dar abraços, beijos e sei lá mais o quê!

*
*

sábado, 9 de janeiro de 2010

As Horas


[...]

Não, não venho tarde. Lá p'rás duas, no máximo!

[...]

Às cinco e meia tinha a cabeça a rebentar de zumbidos, as pernas cansadas de tanto dançar e a língua tão seca como um pedaço de cortiça.

E não era tarde. Já era cedo!


*
*

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Das Lindas Desta Vida

Imagem tirada da Net
Esta sim! É chamada com propriedade!


Há palavras que de vez em quando, e sem razão aparente, se tornam main stream, que é para não dizer vulgares.
Por vezes até são palavras bonitas, mas com a quantidade de vezes que são proferidas e na maior parte das vezes a despropósito, acabam por perder o significado e dizer... absolutamente nada.
Um dos exemplos que mais me enerva é o "Linda".

Olá linda!
Então linda!
Ouve, linda...

Linda para a frente, linda para trás, linda esta, linda aquela e todas e mais algumas - e a páginas tantas já nem sequer parece uma palavra carinhosa, elogiosa, enfim: bonita.
É dito por homems a mulheres (ai espera lá, como é que te chamas?... Já sei, resolvo a questão com: linda! ) e por mulheres a mulheres (o que ainda é pior!).
Caramba, há formas tão carinhosas de tratar as pessoas. E até se pode utilizar a afamada palavra. Basta juntar-lhe por exemplo, menina.

Ora digam lá se não fica mais bonito:

Olá menina linda!


Tão, mas tão mais fofinho!!


*

*


quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

E Agora Para Uma Coisa Mesmo Muito Trivial!

Imagem tirada da Net.


Constatação #1: Eu gosto de homens.
Constatação #2: Mas também sei apreciar mulheres.
Constatação #3: Desconheço inteiramente as possibilidades do Photoshop.
Constatação #4: Sim, já vi as fotos da Playboy deste mês!!


Mas...


Pergunta #1: De certeza que aquela é a Rute Marlene?
Pergunta #2: Aquele nariz, a boca, o queixo, enfim, toda a fronha, foram alvo de Photoshop ou de Ibérico Nogueira?
Pergunta #3: Mas alguém acha aquilo bonito?


... Alguém com pouca testosterona, claro!


Bem me parecia!!


*

*


O Céu é o Limite


É engraçado como por vezes a vida nos dá exactamente aquilo que queremos - e às vezes um pouco mais.
Na literatura, na poesia, na música, abundam os exemplos e citações do perigo que é desejar demasiado, querer de mais.
Há uma música dos míticos anos 80 (mais concretamente de 87 - já fui confirmar) que se chama "China in your hands" dos britânicos T'Pau, que fala disso mesmo.


(Pausa para esclarecimento: Sim, eu ouvia mesmo estas cenas! A década de 80 foi talvez a mais pirosa da história da música, mas quando se é adolescente quase tudo tem piada, por isso de Spandau Ballet a Duran Duran, passando pelos The Cure, pelos Pogues e pelas Bananarama, aqui a Aninhas ouvia de tudo!! E curtia largo!)


It goes like this:
Don't push too far
Your dreams are china in your hands
Don't wish too hard
Because they may como true
And you can't help them
You don't know what you might
Have set upon yourself


Ora isto pode ser piroso e confesso que quando comecei a ouvir a letra me fez um bocadinho de confusão por que diabo ela falava em ter a China na mão!! Depois vi a luz e percebi o significado da expressão. E todo o refrão assumiu uma emoção diferente.
Ontem, enquanto organizava o meu calendário para 2010 - eu não disse que ia ser mais organizadinha?! - não pude evitar pensar nesta música.
Estou afogada em trabalho até Junho.
E atenção que não me estou a lamentar do facto - encaro-o com verdadeiro regozijo!
Mas vale isto para provar, mais uma vez, aquilo que eu já sabia e que se verifica nos mais variados campos da minha vida:
Os meus sonhos tornam-se realidade. Quase sem excepção.
Já disse isto antes e volto a dizer: Estou onde sempre quis estar.
E sabe bem!
Só que por vezes tenho um certo receio de querer de mais e não conseguir deitar as mãos a tudo. De não ser capaz.

Como diz o refrão da "Home", uma música do Chris Daughtry (hã, também ando atenta à música actual, não é só às relíquias do século passado!!):

Be careful with what you wish for
'Cause you might just get it all
And then some you don't want...

Por isso, meus amigos, este ano vai ser a estalar!
Tenho a agenda, a cabeça e o coração cheios!
Há tanta coisa a pulsar na minha vida... só quero ser capaz de dar conta do recado!


*

*


segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Um Pouco de Azul


Há muito tempo que categorizo os meus dias por cores - já sei, já sei, mais uma esquisitice!

Sem me alongar demasiado em explicações, que há coisas que não se explicam, sentem-se apenas, hoje o dia foi Azul!
De um azul lindo, cristalino, como o céu de um verdadeiro dia de Verão!

E eu fiquei mais quentinha por dentro...


*
*

sábado, 2 de janeiro de 2010

Talvez Um Suave Chilreio?!!


É engraçado como nem sempre fazemos ideia de como os outros nos vêem e, neste caso em concreto, como nos ouvem.

Excepto em alturas de inflamações nas cordas vocais (quando a minha voz fica rasgada e cavernosa como a do senhor do Oceano Pacífico) nunca me debrucei muito sobre o meu timbre de voz.

É verdade que quando me ouço em filmagens fico admirada, mais pela maneira ainda um pouco ribatejana como falo do que pelo timbre.

Mas na semana do Natal a opinião acerca da minha voz foi consensual: tenho uma voz fininha.

E por que motivo três pessoas que nunca me ouviram falar, usaram a mesma palavra para descrever o meu timbre de voz? Eu que sou como a outra e acredito que não há coincidências, sou obrigada a concluir que não tenho um vozeirão grave e sexy, à la Marlene Dietrich, mas uma voz fininha de passarinho, tipo Marilyn Monroe!!*

To each its own!!



*Aproveito para acrescentar que as semelhanças entre a minha distinta pessoa e a Marilyn ficam mesmo por aqui, como os leitores que me conhecem tão bem saberão!!



*

*