quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Para Quê Gastar Tanta Água?


Eu sou pessoa de grandes fúrias, de grandes indignações e de grandes inconformismos.

Zango-me com tudo e com nada. Com coisas importantes e outras nem por isso.

É também sabido o amor que tenho pelo Planeta (sim, este que é de todos - presentes e futuros - e não só de alguns, como muito boa gente pensa), pela conservação, pela ecologia e pelo respeito ambiental.

Há por isso poucas coisas que me enervem tanto como ver as pessoas a deitar lixo para o chão.

"Ai, apetece-me mascar uma pastilha elástica" - leva a pastilha à boca e o papel - aquela coisa grande que não cabe no bolso - CHÃO!
"Olha, o último cigarro do maço" - leva o cigarro à boca e o pacote/caixa vazio - que não pode guardar no local onde guardou quando estava cheio - CHÃO!
"Já não preciso deste talão do multibanco" - amarrota o pesado papelinho e... isso mesmo: CHÃO!

Já passei por situações bem desagradáveis e já fui mal-educada o suficiente para chamar "porco" a pessoas que vi fazerem estas, e outras, coisas.

Agora o que me tira mesmo do sério, o que não consigo entender nem que me esforce muito - chamem-me burra if you will - é o motivo que leva aquelas senhoras donas de casa à antiga, que por volta das seis da tarde se munem de mangueira e, depois de regar o jardim - tudo muito bem, as plantinhas precisam de água - LAVAM A ESTRADA!

Vou para o ginásio por uma rua onde só há vivendas e lá estão elas, afincadamente a ver quem consegue chegar mais longe com o esguicho da mangueira!
É um gasto absurdo de água... Aquele recurso que está cada vez mais escasso - e caro.
Porquê lavar a estrada? Para afastar o pó? - A estrada é empedrada! E é uma estrada! Não é a soleira da porta! Onde normalmente há tapetes para limpar os pés.
Para quê empurrar as folhas para as grelhas das valetas? Para as entupir com as primeiras chuvas?

Para quê gastar tanta água??

Juro que não entendo...

*
*

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Esclarecimento

[...]

A pessoa a quem se refere está mais que revelada.
Para mim, que escrevo aqui, que coloco cá as minhas opiniões e que aceito os comentários que quiser.
Não sei se reparou que aceitei os seus e até os encarei com algum humor. Porque precisamente não temos todos de ter a mesma opinião.

Agora, este registo virtual é meu e o que não admito é que alguém seja mal-educado com pessoas que me conhecem e por isso têm o instinto de me defender, seja em que circunstâncias for.
Os amigos são assim, parciais. É por isso que são nossos amigos.

"Gentinha" segundo as suas palavras, foi um termo usado com um tom extremamente depreciativo, assim como a segunda linha do seu comentário, que nem me dou ao trabalho de reproduzir.
Por isso, desta vez, não publico as suas palavras.
Porque se quiser discordar de mim, esteja à vontade, entre alfinetadas e sorrisos, cá nos entendemos, mas não lhe dou o direito de destilar desdém num espaço que é meu.


*
*

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Pequeno Apontamento


Só me apraz dizer que, partidarismos à parte, estou contente por não ter resultado destas eleições uma maioria absoluta.
Acho que esse é um dos piores perigos para qualquer democracia.

*
*

sábado, 26 de setembro de 2009

Estava Destinado!


Não resisti.
Até me custou a adormecer só de pensar no casaco.
Hoje de manhã, levantei-me cedinho e fui à Mango comprá-lo.

E sim, caro anónimo, sou assim tão fútil e consumista!
Desculpe, sim?
Eu não torno...

*
*

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

É No Que Dá Ir Às Lojas À Hora Do Almoço!


Me wants!!
SOOOOOOOOOOOO MUCH!!!

*
*

O mundo inteiro...






Ando lamechas.
Mais lamechas que o valha-me Deus, e depois leio frases destas e fico a pensar nelas.
Gostava muito de saber escrever estas coisas que me parecem saídas do coração.
Mas já fico feliz por poder atribuir-lhes um significado e por saber sentir as palavras.

"O mundo inteiro cabe numa semente, tal como a vida de um homem cabe numa noite de amor. Noites que mudam a vida para sempre, quando um homem se deixa encontrar na mulher que o escolheu."

Mais uma vez saído de um livro de Margarida Rebelo Pinto,
que apesar da atitude armada ao pingarelho
e , ah e tal eu é que percebo de homens e de relações amorosas e escrevo como ninguém
- as if -
de vez em quando lá se sai com meia dúzia de palavras que fazem sentido.
Pelo menos para mim, que sou lamechas!


*
*

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

...

*
*

E enquanto esperava no fundo da rua
pensava em ti e em que sorte era a tua

Quero-te tanto...

*
*

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Quem Não Está Bem...



Gosto mais dos maus gatos do que de muito boa gente que por aí anda e fico piurça da vida quando alguém diz mal deles porque deixam muito pêlo.
São gatos. Têm pêlo. Deal with it!
Fico doente com o desdém que lhes devotam.
Passada dos carretos mesmo.
Tanto que é melhor nem puxar muito pela língua sob pena de acabar por dizer o que não devo.

Um grande miau...

*
*

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Noites Assim!

Ah pois é, a bela da patanisca de bacalhau com arroz de feijão!



Sim, a mesa estava um chiqueiro! E fumar mata!



Uma noite com tudo, mas mesmo tudo a que temos direito.
Muitas gargalhadas, muita conversa séria e muita conversa "do costume"!!
Boa comida, boa bebida e sobretudo boa companhia.
Cada vez gosto mais dos meus amigos.
São divertidos, inteligentes, sensíveis, bonitos e fazem-me sentir mais completa!

Só os "tramoços" é que não prestavam!!
Definitivamente a repetir.


*
*

Lixado com F Grande!



Só agora é que reparei que o desgraçado do meu teclado passa as passas do Algarve comigo. Tanto, que está a ficar descaracterizado!

Quem descobre a "mutação" que nele aconteceu?!

*
*

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Abraça-me


Esta imagem é de uma ternura avassaladora.
Sinto tantas vezes este abraço das letras, das palavras, das frases, das páginas...

A maior parte das vezes é um abracinho bom, quente e reconfortante, outras é um abraço gelado que me faz contorcer e me dá vontade de fugir.

Mas não é para estas considerações que aqui estou.

A Ana C. fez-me quatro perguntas. E cá estou a responder ao repto.


1 - Quem mais gostas de abraçar no presente?
Gosto de abraçar o Nuno, porque tem uns braços grandes, fortes (e rijinhos!!) que me envolvem como se eu fosse mesmo muito pequenina e me dão a sensação de que o mundo pode estar a ruir lá fora... dentro daquele abraço estou protegida.
Assim tipo isto:


2 - Quem nunca abraçarias?
Muitas pessoas.
Uma pessoa que cheirasse muito mal, que tivesse piolhos ou que fosse oriundo de um grupo étnico ali para os lados da Hungria... Lamento, mas não mesmo.

3 - A quem davas tudo para poder abraçar?
Gostava de ter uma resposta hipersensível e dizer "o meu avô", mas eu sou uma pessoa de afectos e demonstro-os sem medo. Abracei muito o meu avô enquanto ele viveu e ainda hoje abraço muito as pessoas de quem gosto de verdade. Sou a verdadeira melga, sempre aos beijinhos e abraços.

4 - A quem davas o teu melhor abraço?
A duas pessoas que me conhecem por dentro e por fora, que gostam de mim apesar de todos os meus defeitos, que sabem valorizar o que faço bem e dizer-me as palavras certas quando estou a agir mal. Mas atenção! Todos os meus abracinhos são de grande nível!!


Bem, agora tenho de passar o desafio a quatro pessoas...
Esta é a parte difícil.

Assim, deixo no ar o convite e que o abrace quem tiver vontade!
Boa?!

*
*

Ó Pá!

Imagem tirada da Net

Eu tentei resistir, andei aqui umas horitas a ver se não caía na tentação.
Não gosto de falar do que fala toda a gente, ao mesmo tempo que toda a gente o faz. Já é sabido.
Mas desta vez não consigo resistir...

Vi ontem o programa dos Gato Fedorento e p'amorDeus!

Pontapés na língua são mais que muitos, mas isso só revela fraca capacidade para o improviso.
Agora...

Mabalarismos?!!

Ri-me tanto, mas tanto que tive de segurar o lábio superior para que esta bosta que ainda me atormenta não rebentasse!

Sem demagogia, sem mabalarismos?

Eu amo de paixão estas trocas e baldrocas.

É que é preciso arte. E talento!


*
*

Ser Bom Jardineiro


O amor para mim é como se fosse uma planta.
Talvez não uma planta vulgar, qualquer coisa mais requintada, que precisa de cuidados especiais, mas cuja beleza se pode admirar em qualquer altura.

Talvez possa ser um Bonsai.
Que é pequeno em escala mas grandioso em beleza.

É preciso regar com regularidade, alimentá-lo com vitaminas para se manter viçoso, dosear bem a água, fazer escolhas difíceis e cortar algumas das folhas mais novas para que todo o conjunto se mantenha forte e estruturado.
Deve ter um lugar privilegiado: nem muito sombrio nem demasiado solarengo.
Deve ser olhado com admiração e respeito, porque se for bem cuidado acompanha-nos durante uma vida inteira.

As pessoas que cuidam dele devem ser atenciosas, ponderadas e ter espaço para absorver no seu íntimo a beleza que dele emana e jamais podem tomá-lo como garantido, porque a qualquer altura, vem um dia de mais calor e o Bonsai seca.

Sem água, sem cuidado, sem carinho, a árvore definha, as folhas caem, a tristeza instala-se dos ramos até à raiz e depois é difícil, por vezes até impossível, ressuscitá-la...

É como o amor.
Exactamente como o amor.

*
*

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Síndrome Peter Pan ou De Como Era Bom Ser-se Eternamente Pequenino


Às vezes canso-me de ouvir pessoas próximas de mim a queixarem-se da vida que têm.
Pessoas até um pouco insuspeitas, que parecem não ter do que se queixar...
Digo-lhes sempre para terem calma, que é uma fase, que vai passar, mas gostava de poder ser mais concreta.
Não sou capaz.

Quando nos fartamos da vida que levamos, em termos muito práticos, o que podemos fazer?

Uma pessoa que esteja farta da profissão que tem, pode simplesmente despedir-se e ir à aventura, procurar outra coisa, enfrentar um mundo implacável e onde tudo custa dinheiro? Quem deixa de trabalhar não deixa de ter casa para pagar, contas para saldar e comida para pôr na mesa. Quem é que se pode dar ao luxo de mudar de vida só porque está farto da vida que leva?

É bom ter ideais, ter objectivos e agir com verdade para connosco mesmos.
Mas a vida não se presta apenas a atitudes idealistas. A vida é tão prática, tão inexorável que por vezes os ideais perdem força, esmagados pela realidade.
A partir de certa altura, a palavra odiada passa a ter lugar cativo nas nossas vidas.

Responsabilidades.

Sempre fui um bocadinho como o Peter Pan e recuso-me a crescer (pelo menos mais do que o estritamente necessário), mas há de facto aspectos incontornáveis na vida de um adulto...

Era tão bom podermos mandar tudo à fava e sermos eternamente crianças.

No can do.

*
*

terça-feira, 15 de setembro de 2009

E Viva o Compeed! (Não, não recebi para lhes fazer publicidade!)

Imagem tirada da Net



Então e não é que um belo herpes labial teve a desfaçatez de se instalar no meu lábio superior sem sequer pedir licença?!

É a segunda vez em toda a vida que esta bosta me acontece.
E até o interior da narina está inchado!

Não há justiça neste mundo!

*
*

Pregar Aos Peixinhos!


Ontem fiz uso de toda a minha tolerância e diplomacia e acabei por ficar muito orgulhosa de mim mesma!

Tive os meus tios e a minha prima cá em casa durante o fim-de-semana. Adoro-os de paixão.
Mas não dormi grande coisa.
Passeámos imenso, conversámos muito e dormimos menos que o habitual.
Por isso, ontem andei todo o dia com sono.

Na aula de BodyBalance fartei-me de abrir a boca!
Quando a aula acabou (com os oito minutos de relaxamento que só fizeram com que ficasse com mais sono), veio uma das cotinhas ter comigo e o diálogo foi o seguinte:

- Então, não fez outra coisa que foi abrir a boca durante a aula toda!
- Estou cheia de sono!
- Mas não dormiu bem?
- Dormir bem, até dormi...
- Olhe que isso é o primeiro sinal de depressão.
- Eu tenho lá tempo para ter uma depressão!
- Ai, mas os médicos dizem logo que quando se tem muito sono é sinal de depressão... Anda a tomar ansiolíticos?
- Não! Só tenho é sono e quanto mais durmo, mais sono tenho! (gargalhada)
- Ai ai, você anda deprimida e está em negação...
- (nova gargalhada)

Então, mas adiantava alguma coisa tentar convencer a boa senhora de que não sinto depressão nenhuma, que ando de bem com a vida, que tenho sono porque dormi pouco?!
Era como pregar aos peixinhos!
Acho-lhes cá uma piada!
Como se todos os percalços da vida se explicassem com uma depressão.
Não querendo menosprezar as pessoas que ficam doentes da alma, não me imagino a conseguir encaixar uma patologia destas nas mil coisas que tenho de fazer por dia e nos triliões de projectos que quero concretizar.
Não sei se isto é uma questão geracional, mas quando ouço falar em depressões é geralmente em senhoras de meia idade, com filhos criados e pouco que fazer aos seus dias... Sei que há excepções, que é uma patologia que pode ter origem química e que pode até afectar crianças. Mas este nível de consciência e rapidez de diagnóstico só encontro nas cotinhas!

Não quero ser injusta, nem tão pouco insensível, mas não tenho mesmo tempo para estas coisas. Só me apetecia era pôr as horas de sono em dia!!

*
*

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Abrir Asas


Deve ser muito difícil ter filhos, vê-los nascer, sentir que dependem dos pais para tudo e mais alguma coisa e depois, aos poucos, vê-los crescer e precisar cada vez menos de quem lhes deu a vida. Vê-los ser mais independentes a cada dia que passa e deixá-los voar.
Deve doer.

*
*

Yet Again...

Imagem tirada da Net



Embora me sinta melhor hoje do que quando tinha vinte anos, a decadência do corpo é uma coisa que me assusta.
Assim como me assusta a decadência da mente.

Não sei francamente o que é pior, se ter um corpo perfeitamente funcional mas uma cuca que já não carbura bem, se ter uma cabeça lúcida e atenta e um corpo que não lhe obedece...
Se possível escolho a terceira hipótese que é manter os dois em boas condições. Se a escolha me for possibilitada.

Enfim... (suspiro arrastado!)

Estou meia taciturna porque ontem voltei a experimentar uma aula de Power Jump, que adoro, e pela enésima vez saí de lá com a perna ao peito, salvo seja!
A verdade é que ainda nem quarenta minutos tinham passado já eu estava à rasca do mesmo joelho de sempre. Quero dizer, não é bem no joelho, é na parte de trás, na covinha da perna, não sei como se chama esta parte da minha graciosa anatomia!...

Gosto de fazer aquilo, divirto-me à brava, suo as estopinhas, mas sua excelência, o joelho, vamos chamar-lhe assim, diz que não, que não está para aquilo, que é esforço a mais, que tem mais que fazer... E depois para me castigar, lateja como se estivesse encostado a uma coluna da disco onde se ouve o Pete Tha Zouk. E dói. Muito.

PQP.

Hoje queria voltar ao Yoga, que depois da última aula me deixou um tanto assustadita e agora não sei se vá, se fique ou se mande tudo à merd@!

Vou tomar o segundo pequeno-almoço!!
Talvez ajude.

*
*

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Mimo, Vesguice e Bronze Perpétuo




Pronto, vou ser mázinha, vou dizer o nome da pessoa e destilar algum veneno! Já estava com saudades!

Eu sei que já se falou muito disto, até a pessoa em questão já deu uma entrevista a este respeito**, mas mesmo assim não resisto e comentar o assunto.

Estava eu entre viagens quando me deparo com um vídeo na net da Carolina Patrocínio a dizer que detesta os caroços das frutas, nomeadamente de cerejas, que só come quando a empregada lhe tira os caroços! E a casca. E com as uvas a mesma coisa, o que acrescenta em tom de inteligente brincadeira "É uma trabalheira!"

Pois pensei cá para mim: Olha que dondoca armada ao pingarelho! Isso faz-se aos meninos de dois anos, não vão eles engasgar-se por não conseguirem tirar os caroços, ou se os conseguirem tirar, para não se lembrarem de os enfiar nos mais variados orificios!
Não é coisa de que uma pós adolescente se deva orgulhar!

A verdade é que quando se saiu com esta da fruta já eu estava em choque com:
Ponto 1:
a notícia de que a escarumbinha perpétua iria ser mandatária do PS para a juventude
Ponto 2:
a mesma mandatária diga numa entrevista que prefere fazer batota a perder!

Mas quando eu pensava que isto acabava por aqui não!
Quando lhe perguntaram porque queria ser comunicadora a vesguinha desorientou-se e não conseguiu responder! Uma coisa é dizer frases "giras", outra é saber justificá-las.
"Ora, quero ser comunicadora porque quero comunicar"...
E eu estou feliz porque estou contente!

A questão seguinte é: Quantos pós adolescentes conseguirá esta Impecável Mandatária arrastar para as hostes do PS? A mim tanto se me dá, que eu não voto neles e não, mas é triste que exista tanta gente com coisas interessantes para dizer e se dê voz a parolinhas deste tipo, que não fazem ideia do que é a vida real.

*
*

** Em resposta ao movimento entretanto organizado, Libertem a Empregada da Carolina P., a senhora em questão já veio dizer alto e bom som, que não quer ser libertada coisa nenhuma! É que a tirar caroços ou não, a senhora sempre tem emprego, o que nos dias de hoje é um bem precioso.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Back on Business!!


Olá, olá!!

Estou de volta!
Não vou dizer aqueles clichés todos, como o que é bom acaba depressa, e que as férias souberam a pouco, que já preciso de férias outra vez, porque nenhum deles se aplica!
A única coisa que digo é: Time flies when you're having fun!!

As férias foram óptimas! Excelentes até!

Verdade que se durassem mais tempo não vinha mal ao mundo, mas nos últimos dias já me apetecia voltar a casa, para os meus gatos e para as minhas coisas!! (Não necessariamente ao trabalho, claro!!)

Fiz muitas coisas, descansei tudo o que precisava de descansar, namorei muito, ri muito, comi muito... Estou nada mais nada menos que três agradáveis quilinhos mais rechonchuda! Férias são férias. Não corri na praia, não deixei de comer o que me apeteceu e não me movimentei mais do que o estritamente necessário! Ora vira de costas, ora vira de barriga!!
Já merecia uns dias assim.

A única coisa que fiz com alguma ponderação foi repensar na minha maneira de trabalhar, que ultimamente descambou um bocadinho. No último dia de trabalho, estive sentada a escrever durante vinte e quatro horas, apenas com as merecidas pausas para comer. E sem dormir! Foi dose. E uma maratona desnecessária.

Tenho muitas coisas para contar, muitas perguntas para fazer, muitos textos vossos para ler. (Estranho, o mundo não pára quando eu não estou!... A seguir vão tentar convencer-me que a nossa campanha eleitoral está uma seca!! Como se eu acreditasse!)

Vou fazer tudo aos bocadinhos, por hoje ficam alguns recuerdos da viagem!












*
*