quinta-feira, 28 de maio de 2009

Good Dic!


Sei que estou a trabalhar de mais quando, no meu dicionário on-line favorito, no campo de pesquisa, coloco não a palavra cujo significado quero confirmar, mas o que sei que ela quer dizer!

E percebo que estou perto da insanidade quando vou aos arames com a resposta do desgraçado:

"Word not found in the Dictionary and Encyclopedia. Did you mean: ... "

e o trato como se fosse um ser incompetente com a mania que é génio e que nem sequer responde aos meus insultos!

Eu sei que isto tem cura!

*
*

terça-feira, 26 de maio de 2009

O Melhor Amigo do Homem...

Não tenho a menor dúvida que, neste momento, o melhor amigo do Homem (enquanto representante da espécie humana e portanto também o Melhor Amigo da Mulher, principalmente desta formiguinha trabalhadeira que aqui se apresenta) é, nada mais nada menos, que o fabuloso:




É que são estas meias-lecas de comprimidos que me têm mantido de pé e mais ou menos em condições.
E ainda tenho taaantos!
Depois é como diz uma certa tagarela, procuramos um centro de desintoxicação!!

Três vivas para o Voltaren Rapid!
É que até sacarose tem!!

*
*


quinta-feira, 21 de maio de 2009

Come Again??

Imagem tirada da net


Então não querem lá ver que 22 anos de esforçada e obviamente prolífica vida académica, não chegam para se aprender a conjugação dos verbos e os graus dos adjectivos?...

-... onde te metestes?
-... amiguissímos?


Desculpe lá, senhora doutora (da mula russa) mas ninguém diz isto.
Muito menos um professor.

*
*

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Só Tu!!


Alojamento com aquaparque!!

A gargalhada mais sentida do dia!


;)

*
*

segunda-feira, 18 de maio de 2009

*


*


E
stou fArta disto.


mEsmo MuitO



*

Aquele Brilhozinho nos Olhos

Imagem tirada da Net - infelizmente, que gostaria muito de ter sido eu a tirá-la!



É oficial!
Em todos os sentidos e mais alguns, o nome Nuno Lopes tem uma nova etimologia.
Já tinha esta desconfiança, porque com a graça do Senhor tenho um espécimen cá em casa.
Mas hoje confirmou-se a suspeita, desta vez relativa ao actor homónimo.

Nuno Lopes quer dizer Homem de Verdade. (Homo veritas para os eruditos!)

Sim, estive a ver a xaropada que costuma ser a gala dos Globos de Ouro da Sic.
Sim, gostei de ver que o Nuno Lopes, actor, foi nomeado vencedor na categoria de melhor actor de cinema. (Infelizmente, acho ele ganhou o prémio - que não digo que não seja merecido - devido ao mediatismo que as suas personagens d'Os Contemporâneos têm e não propriamente pelo papel que desempenhou naquele filme em particular.)

Mas mesmo assim, não deixa de ser um reconhecimento de um homem que não é apenas bom actor, mas que é também boa pessoa. (Além de ser bom... comó milho, mas isso são outros quinhentos!!)
Achei o gesto que teve para com o António Feio de uma sensibilidade e humanidade muito bonitas, embora não seja apologista do tão lusitano hábito "agora-que-ele-está-com-os-pés-pá-cova-bora-lá-dar-lhe-um-prémiozito".
Sei que não foi essa a intenção do Nuno Lopes e foi por isso que me deixei comover; fiquei a admirá-lo um bocadinho mais.

Porque o que nós precisamos é de gente humilde, sensível, que não se esquece dos outros e que atravessa a vida com aquele brilhozinho nos olhos.

Way to go, Nuno!
*
*

sábado, 16 de maio de 2009

A Nossa Casa é...


onde conseguimos pousar a cabeça e descansar.
Onde por muito caos que nos rodeie nos deixamos invadir por uma estranha paz.

Mesmo que esteja uma confusão.

*
*

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Ontem Cumpriu-se a Tradição






Apesar de andar "afogada" em trabalho, na noite passada fui jantar com um grupo de amigos.
Não são muitos, mas são os melhores!!

Ontem foi quarta-feira Académica, quarta-feira do Enterro*, ou quarta-feira de Cortejo, como lhe quiserem chamar.
Depois do jantar fomos para o Gatódromo, ver pela 367ª vez (nem sei como é que isto se escreve por extenso!!) o Quim Barreiros, o Tio Quim para os amigos!

Não é pela música, certamente não é pela cerveja, nem sequer pelo ambiente, embora este até nem estivesse mau!
Mas vale tudo pelas gargalhadas, pelas parolices que nos saem da boca para fora quando estamos juntos, pelo prazer de estar com pessoas com quem nos sentimos em casa, que sabemos que nos querem bem e a quem nós queremos da mesma forma.
Pela tradição.

Este ano não éramos muitos, uns porque têm de trabalhar, outros porque estão "extremamente grávidos"!! e outros sei lá porquê...
Mas a verdade é que pode estar toda a gente ou só meia dúzia - neste caso meia dezena - que a diversão é sempre garantida.
Nós até nem fazemos nada de especial, não temos conversas transcendentes (pronto, às vezes até temos e vão sempre parar ao mesmo!!), mas só o facto de estar com os amigos sabe bem; é bom ter sempre uma "frase" ou "expressão da noite", mesmo que seja absolutamente ridícula, idiota até! Aliás quanto mais idiota melhor!!

No dia a seguir é claro que não se trabalha tanto quanto seria desejável, a garganta dói de tanto falar e gritar por cima da música; as bochechas estão doridas de tanto rir e a língua está um nadinha mais seca de tanto vinho verde, mas o saldo é altamente positivo.

Apesar do cansaço do dia seguinte, as baterias ficam bem carregadinhas, os afectos renovam-se e fica sempre a certeza de que assim vale a pena.



* Em Braga não há Queima das Fitas. A malta aqui gosta de ser diferente e faz o Enterro da Gata, que simboliza o ano lectivo.

*
*

Da Boa Educação



Imagem tirada da Net


Eu tenho uma ideia, que até pode parecer disparatada, mas é cá uma coisa que se me enraizou na psique, que a boa educação fica bem a toda a gente e em todo o lado.
Com mais ou menos familiaridade que exista entre as pessoas, com mais ou menos amizade, com mais ou menos delicadeza, a boa educação nunca cai mal.

Ora, ultimamente tenho reparado mais em alguns casos onde a dita boa educação está em falta.

A senhora que nos balneários do ginásio olha com ar enjoado para nós porque estamos à frente do seu cacifo, e em vez de dizer - olhe, não se importa? - Ou - Dá-me licença? - Ou ainda um simples - Posso? - fica especada a olhar para nós a pensar "olha estas magras estúpidas estão à minha frente, deixa lá fazer cara de má para ver se as intimido", é uma senhora mal educada.

O senhor que na aula de Power Jump colocou o trampolim quase por cima da minha garrafa de água só para ficar ao lado da minha queridíssima amiga (por quem ele aparentemente tem uma verdadeira tara!! - anda lá fofa, aguenta-te à bronca!!), é um senhor que embora simpático, não foi bem educado.

Os colegas que decidem que não vale a pena responder a um e-mail (que ao que sei é gratuito e bastante rápido de se enviar) porque partem do princípio que ninguém está a contar com eles e se estiverem, paciência, que a nossa vida não é isto, não estão a ser bem educados.

Aquela pessoa que num dia nos conhece e nos fala como se tivesse muita confiança connosco e que no dia seguinte passa por nós no corredor e parece já não nos conhecer, nem para um "boa tarde", não é uma pessoa bem educada.

Uma pessoa que nos atende como se estivesse a fazer um frete, que não tem um sorriso, uma palavra delicada para nos dirigir, por muito competente que seja e por muito profissional que queira ser, não é uma pessoa educada.

Já nem falo em quem deita lixo ou cospe para o chão, quem come de modo ruidoso e de boca aberta ou quem fala em decibéis que magoam fisicamente os ouvidos alheios, porque nesses casos além de falta de educação, verifica-se também falta de civismo, e era discussão para dar pano para mangas.

Caramba, sou só eu que gosto de ouvir de ouvir um - Desculpe - quando alguém me dá um encontrão sem querer?
Sou só eu que gosto de ouvir o senhor do talho dizer - Obrigado e volte sempre!?

Já sei que toda a gente tem os seus momentos; a senhora do ginásio podia estar chateada porque o dia lhe correu mal; o senhor do Power Jump pode não ter reparado que a minha garrafa estava a marcar um lugar; os colegas podiam não estar para nos aturar; a pessoa que a certa altura decide não nos cumprimentar pode ter percebido que afinal não tem grande afinidade connosco e a pessoa que nos atende pode estar farta de trabalhar, com vontade de ir para casa tratar da sua vidinha.

Mas por muitas desculpas que possam existir, continuo a achar que não é preciso grande esforço para se ser bem educado e ter consideração pelos outros.

Mas se calhar sou só eu...

*
*

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Etiqueta Com Humor

*
*
Fui comprar uns trapinhos para ir para o gym (que isto de lavar as roupas todos os dias - sim que eu sou lavadinha e não uso roupa a cheirar a esforço físico!! - vai estragando as ditas) e encontrei muita coisa gira.
E cara.

Uma das t-shirts que comprei trazia esta etiqueta fabulosa:





Clicado na foto consegue ler-se melhor!

E depois ainda mais um rasgo de humor:



Achei-lhes tanta piada que comprei para mim e para o Nuno!

É bom saber que ainda há gente bem disposta e criativa no mundo empresarial!
*
*

terça-feira, 12 de maio de 2009

Estação Meteorológica


Não sei se alguma vez falei disto, mas tenho um dedo que é praticamente uma estação meteorológica!
Este fabuloso, e quiçá um pouco torto, apêndice é o indicador da minha mão direita.

De cada vez que uma mudança das condições climatéricas está para breve, o sacana do dedo começa a doer-me da ponta da unha até à base. Uma dor interior, nos ossinhos, nas articulações, enfim um drama.
Ora esta dorzita de merda é mais persistente quando o tempo muda para chuva.
O que nos tempos que correm, e uma vez que agora até em Agosto chove, é uma valente bostice.
Se a isto juntarmos o facto de as cerca de oito mil palavras que escrevo por dia (num dia boooom) serem praticamente todas escritas com os dois indicadores e pouco mais (não, não escrevo à dactilógrafa, vai mesmo à preguiçosa!!) estas dores são uma verdadeira pinocada.

Agora, vamos fazer o resumo das actuais condições laborais:

Livro grande comó caraças + prazo quase, quase a dar o berro + chuva lá fora que até dá dó + dor no grande protagonista da escrita (aka indicador direito)

o que é que dá?

Uma vontade de trabalhar que até mete medo!!

E por falar nisso...
*
*

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Breve Apologia da Tristeza

Pôr-do-sol perfeito, na minha praia.

Não sei por que raios é que este texto não aparece, mas é pena. É tão bonito...



Encontrei este texto há mais de dois anos num blog a
que já perdi o rasto.

Só sei que foi publicado por alguém chamado David.
E que me tocou profundamente.
Gostava de o ter escrito.
Sinto-o como se fosse meu.
Sem dramas...


"Há pessoas que não sabem estar tristes. Pessoas que têm
medo da tristeza como se ela fosse uma doença.
Pessoas
que não sabem que é normal estar triste e que às vezes
até faz bem.
Porque todos nós temos motivos diários
para estar tristes.
Precisamos tanto da Madame Tristesse,
como precisamos da Madame Alegria.

Para mim ela sempre foi a amante perfeita. Quando
parto não se ofende e quando volto não faz perguntas.
É minha amiga e foi muitas vezes a minha única companhia.
Conhece-me como poucos e é de uma paciência infinita.
Já me viu na intimidade, chorou comigo.
Nunca me
negou um beijo ou um abraço. Sempre que eu precisei dela,
estava lá.
A amante perfeita.

Por isso, quando me virem um pouco melancólico e de
poucas falas, não me perguntem o que é que se passa,
ou o que é que tens.
É que às vezes preciso de namorar
um pouco com a tristeza, entregar-me a ela.

Não se preocupem. Não ficarei para sempre nos seus braços.
Sei demasiado bem que quem insiste em servir-se várias vezes
da angústia como se esta fosse uma panela de sopa, acaba
sempre por ficar com fome no coração.
"




Para dizer a verdade, o sentimento que me domina
ultimamente não é bem tristeza.

É cansaço. Um cansaço profundo, pesado, que me faz
olhar para o que me rodeia com olhos vidrados,
com os ombros curvados e o corpo dorido.


Quando ando mais cansada fico com a sensibilidade
à flor da pele. Tudo me comove, tudo me faz chorar.
Tudo provoca em mim torrentes de emoção.


Foi por isso que hoje, ao encontrar este texto perdido
por entre os meus papéis, me deixei emocionar novamente,
me senti mais uma vez tocada pela sensação de tristeza calma
que ele transmite.

Sem dramas...
*
*


domingo, 10 de maio de 2009

Genial! As Always!!





E neste momento assenta-me como uma luva!!
Vá, menos a parte da mão na braguilha e das mulheres nuas!!

E logo à noite há mais Contemporâneos!!
Yeiiiii!!
*
*

sábado, 9 de maio de 2009

Ahhhhhh!


Ó pá, não resisti!

Vi esta imagem enquanto andava a pesquisar sobre preservativos (para trabalho, senhores e senhoras, para trabalho!!) e não resisti!!

Achei-a genial!
Só pode ter sido feita por um homem com uma dose de auto-estima muito grande!!
E se calhar com uma pila pequena!!
*
*

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Esclarecimentos à Nação - I

Sem querer ser presunçosa, mas já sendo, dirijo estas palavras a quem interessar (ou a quem a carapuça servir):

A segunda pessoa do singular do pretérito perfeito, vamos supor, do verbo Chegar é,

Chegaste...

Ora bem:
Eu cheguei
Tu chegaste

Então por que razão tanta gente diz "chegastes"?
É que quando é dito a brincar é uma coisa, mas quando é a sério e se ouve na televisão, é outra.
Podia ser confusão com a segunda pessoa, mas do plural, que se conjuga

Vós chegastes

mas não me parece que na maior parte dos casos o tratamento entre os interlocutores seja feito desta forma.


Vamos todos repetir:

Eu cheguei
Tu chegaste

Eu comi
Tu comeste

Eu resmunguei
Tu resmungaste


De nada. Sempre às ordens.
*
*
Cansaço...
21/Jan/2008 23:36


"O que há em mim é sobretudo cansaço -
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas -
Essas e o que falta nelas eternamente - ;
Tudo isso me faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles;
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah! com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço..."

Álvaro de Campos

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Oito Coisas Simples...

Às vezes, as coisas simples são as mais bonitas, mais surpreendentes, mais apaixonantes...


A Mariinha ofereceu-me um prémio todo posh e desafiou-me a escrever cinco coisas que adoro na minha vida e porquê.

Não estou com muita vontade de fazer grandes reflexões, ando tão cansada que por vezes até pensar me custa (e isso em mim é grave!!), por isso vou enumerar não cinco, mas oito coisas que me fazem bem.

Por muito simples e/ou ridículas que sejam.

Porque nós não somos feitos apenas de sentimentos profundos e complexos. Somos sim, uma mistura (que se espera equilibrada) de todos os pequenos e grandes detalhes que fazem um ser humano. Com defeitos, virtudes, manias e por aí em diante...

  1. Gosto da cor verde. Não tem nada que ver com clubites (embora coincida com a minha preferência), mas sim com o facto de ser uma cor que me acalma. Adoro olhar para uma seara de trigo e para as árvores cheias de folhas renovadas, quando começa a primavera. Gosto de me deitar em cima da relva e de rebolar sem pudor por uma colina abaixo.
  2. Gosto de sonhar acordada. Faço grandes filmes na minha cabeça. Sobre tudo e sobre nada. Invento personagens, histórias, locais. Tudo. É a minha estratégia favorita para aqueles momentos antes de adormecer. Sou capaz de andar com a mesma história na cabeça durante semanas e vou ao ponto de decorar completamente as casas onde as personagens vivem. Eu sei que isto tem cura!!
  3. Adoro comer pão com imenso conduto. Ou seja, em vez de comer pão com queijo... gosto de comer queijo com pão! Quem diz queijo diz manteiga, fiambre, tulicreme, and so on and so forth... Já sei que faz mal, que é idiota, mas eu gosto!!
  4. Gosto de ter tempo para cozinhar. Prefiro fazer uma lasanha, um bacalhau com natas ou uma feijoada do que grelhar um bife e cozer arroz. Não gosto da cozinha rápida. Se tiver tempo consigo inventar muito mais, modificar receitas, experimentar condimentos... E confeccionar doces então nem se fala! Mas é melhor não entrarmos por aí!!
  5. Adoro passear sem destino. Entrar no carro e começar logo por decidir: para a esquerda ou para a direita? Depois é só manter o espírito aventureiro alerta. Já encontrámos lugares maravilhosos com este sistema. O pior é que depois não conseguimos lá voltar (porque nunca anotamos as direcções)!!
  6. Perco-me a ler. A minha vida não faria qualquer sentido sem os livros. Mesmo que não fosse o meu trabalho, não consigo imaginar-me a não ler. É por isso que se me crispam os pelinhos todos que tenho no corpo quando ouço alguém dizer que não gosta de ler, ou que nunca leu um livro até ao fim. Grrrr!
  7. Tenho uma mania com o algarismo oito. Nasci a oito do oito. Quando estive no hospital (onde o meu coração parou duas vezes) a minha cama era a número oito. Casei no único sábado daquele mês que tinha um oito. Fiz questão de trocar de alianças quando fizémos oito anos de casamento. Tenho tatuado um oito estilizado. Quando escolhi os números de telemóvel, escolhi os que tinham mais oitos. Quando me pedem para escolher um número, seja para o Euromilhões ou para um truque qualquer, escolho sempre o oito, o dezoito e por aí fora... Só não gosto do chuveiro número oito do ginásio porque é mais pequeno que os outros!!
  8. Amo de paixão a minha vida. Porque se me sentar e pensar um bocadinho (está difícil, mas não é impossível!) vejo que já percorri um grande caminho. Já alcancei muita coisa. Estou onde sempre quis estar. Tenho ao meu lado o homem que a determinada altura decidi que queria ter para sempre (e tive a sorte de ele me querer a mim também, claro!! It takes two to tango!!). Sei que mereço tudo isto e muito mais. Sei o meu valor. Todas as coisas boas que me estão reservadas são inteiramente merecidas. Não tenho medida para o amor que dou. Não dou nada a pensar que vou receber algo em troca. Tenho algumas mágoas, mas elas só serviram para me trazer até aqui. Ajudaram-me a crescer. E a ser feliz. Cansada, mas feliz.
Podia enumerar mais umas quantas, isto só custa a engrenar, depois é sempre a abrir! Mas fica para a próxima.

Agora, o que me apetece mesmo é ir dormir... mas ainda não posso.
Só mais um bocadinho.
*
*

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Eleven Days and Counting Down...

Giant Book - Imagem tirada da Net

Eu já sabia que este dia ia chegar.

Até avisei há uns tempos que dentro de algumas semanas me ia apetecer cortar os pulsos!

Adiei, passei um livro menos exigente à frente deste - que é muito mais difícil (mal feito, Aninhas, muito mal feito) - parei quase uma semana porque estava mal dos ombros e mais não sei o quê; fiz trinta por uma linha para evitar encarar este touro de frente (que é o que normalmente faço)...

Mas o inevitável é isso mesmo - inevitável.
E por muitas voltas que lhe dê, a realidade é apenas uma:

É uma porra de um livro difícil, grande, num registo de linguagem que não me agrada por aí além, com demasiado sangue e brutalidade à mistura, mas continua a ser um bom desafio. E um compromisso que assumi.

É verdade que o senhor escusava de escrever tanto - quatrocentas e cinquenta páginas é muita palavra (e metade delas são asneiras do piorio!) - as duzentas e pouco que tenho traduzidas chegavam perfeitamente para entreter o leitor!! Mas as coisas são como são.

Quem me conhece sabe que adoro o meu trabalho, que dificilmente me sentiria tão realizada a fazer qualquer outra coisa (se bem que a decoração de interiores e a fotografia me apelem cada vez mais!!), mas há dias em que, com toda a sinceridade, acordo de manhã e penso "Ó pá, outra vez não! Não me apetece trabalhar outra vez naquele livro."

E atenção, não quero com isto dizer que o livro não seja bom, que a história seja desinteressante. Muito pelo contrário. É até uma sátira muito pertinente à nossa sociedade consumista, implacável e (quase) desprovida de escrúpulos.
Mas é difícil. Não é literatura de meninos! (Ou de meninas - coisa que me aborrece quase tanto quanto estes contos duros e cruéis.)
É difícil. E trabalhoso.

Por isso, o melhor é deixar-me de merdas, e meter mãos ao trabalho para ver se me vejo livre disto. Tenho onze dias. And counting down...

E uma coisa é certa: se consigo fazer isto, consigo fazer qualquer coisa.
Bring it on!
*
*

terça-feira, 5 de maio de 2009

A Ternura de Quem Anda Connosco ao Colo...

Esta foto é uma ternura! Foi-me enviada por uma colega de trabalho (acho que se pode chamar assim!)

É a coisa mais reconfortante do mundo saber que temos quem ande connosco ao colo quando alguma coisa não está bem ou quando os tempos são menos fáceis.
É bom sentir que a pessoa que mais amamos no mundo se preocupa e faz os possíveis para nos proteger e ajudar. Com um sorriso.
O mimo nunca é exagerado. Nunca é de mais. Sabe tão bem...
Cura tudo.
E faz sorrir.
*
*

segunda-feira, 4 de maio de 2009

De Sempre


Ontem, em incontáveis ocasiões, voltei a apaixonar-me pelo mesmo homem de sempre.
Por tudo.
Porque continua a valer a pena.
Porque sim.
*
*