segunda-feira

Por tudo e mais alguma coisa.




Enfim, não vale muito a pena falar dos porquês, dos porque sim, dos porque não, não vale a pena debater.
Tenho de tomar uma atitude de uma vez por todas.
Tenho de ser crescidinha e corajosa. 
Tenho de fazer o que é mais difícil, sob pena de vir a arcar com as consequências: agora e no futuro.
Vai ser difícil, vai ser tortuoso e não digo que nunca vou fraquejar. Certamente vou.
Vou ceder, vou capitular, vou deixar-me vencer.
E também não pode ser nada demasiado radical, senão enlouqueço. 
Ando nisto há muitos anos, já se tornou parte de mim e também não o consigo arrancar de mim assim, de um dia para o outro.

Mas não vale a pena mascarar a verdade. 
Não vale a pena ignorar os sinais.
Já chega.
Já me fez mal suficiente; continua a fazer.

Por isso chegou a hora.
Por muito que me custe, e custa, vou ter de deixar de comer doces.
(Inserir mega suspiro - de ar, não de suspiro, suspiro!!)

Vou tentar comer um docinho só ao fim de semana, se tiver de ser, mas não posso comer gelados, bolos, mousses, mais bolos, mais pudins, mais gelados, mais bolachas, mais chocolates,. mais sei lá o quê TODOS OS DIAS!

Fico mal disposta, enjoada, fico com dores de cabeça, enfartada, e diz que até faz mal às articulações.
As minhas articulações já estão mal o suficiente sem as estar a entupir de açúcares vários!

Estou farta de andar mal por ser gulosa, por ser caprichosa com os doces.
A sério.

Desejem-me sorte.
Bem vou precisar. 

*
*




2 comentários:

Mariana disse...

De gulosa para gulosa: custa mas é só no início. O corpo deixa de pedir. A fruta passa a ser dulcíssima. Courage! E podes mandar o que sobra por correio para mim :P

Ana. disse...

Mariana, my fellow sweets lover!
;)
Vou continuando com as minhas bolachinhas de gengibre, mas só porque ficam extraordinárias com iogurte grego ou com maçã, ao lanche!
Procuro fazer uma alimentação o mais correta possível, não por fundamentalismos diatéticos mas por respeito ao corpo que tão bem me serve e depois estrago tudo com o excesso de doces...

É como diz o outro: This too shall pass!