quarta-feira

Que me desculpem as "super-mulheres"...


18 Perfect Words You Need To Start Using Right Now:

Desde há algum tempo a esta parte, parece que é bem dizer-se que as mulheres conseguem fazer muitas coisas ao mesmo tempo, que não nos basta sermos mulheres, temos de ser super competentes, super empreendedoras, super despachadas, super eficientes. Consta que como os dias de uma mulher têm as mesmas horas que os do resto da Humanidade, nomeadamente que os dos homens, que coitados são limitados e só conseguem fazer uma coisa de cada vez, temos de ser ultra (já nem é super) desenrascadas e eficazes, estar em vários sítios ao mesmo tempo e chegar a todas, numa síndroma que se aproxima da ubiquidade.
Pois bem, é mentira! Isto é mentira!

Nem nós somos ultra nada nem os homens são limitados.
Fazemos todos o mesmo, podemos fazer todos o mesmo, temos o mesmo potencial para atingir os mesmos resultados se aplicarmos a mesma dedicação.
Para mim, esta é a verdadeira noção de feminismo. Porque feminismo é igualdade, não se trata de maldizer os homens para enaltecer as mulheres como parece que agora é moda - isso é feminismo rasca, desesperado.
Nós somos iguais, nas virtudes, nos defeitos, nos direitos e nas obrigações.

E enquanto as mulheres se desdobrarem para fazer tudo e mais alguma coisa, os homens não precisam de o fazer. 

É tão simples como isto!
Somos todas tão moderninhas e esclarecidas e no fim agarramo-nos a estes estereótipos saídinhos dos anos 50!
Já chega!


Um dia falamos sobre a igualdade de salários, de expetativas e de aceitação social, mas para mim a questão da igualdade de competências e responsabilidades é uma das bases de qualquer (boa) relação ou sociedade.




(Podia ainda discorrer sobre o facto de quando tento fazer dez coisas ao mesmo tempo nenhuma me sair bem, poucas ficarem completas, e de dar em doida por me sentir incompetente e "fraquinha", mas não era essa a ideia que queria registar hoje! Cheguei à conclusão que não preciso de o fazer. Não preciso de fazer dez coisas ao mesmo tempo. Se só fizer uma de cada vez, só faço uma de cada vez. E ninguém me pode apontar o dedo por isso. Não vivo na década de 50!)


*
*

1 comentário:

Maggie F. disse...

é verdade sim, tudo. Somos todas muito mais mas continuamos pequeninas como as mulheres da década de 50 sim. Enquanto continuarmos a carregar no mesmo discurso não evoluímos, enquanto continuarmos dedicadas a atacar-nos umas ás outras, enquanto continuarmos a competir com as outras mulheres vamos ficando cada vez mais pequeninas e os homens cada vez maiores, tal como na década de 50. De nada serviu a dedicação e o esforço das nossas antepassadas porque continuamos a apontar o dedo umas ás outras, que triste. É por isso que os homens estão mais á frente, as mulheres não se unem para mostrar que podem fazer igual, as mulheres perdem o tempo todo na critica e na mesquinhez.

Beijinho