terça-feira

No need...

♥:


Em miúda, sempre tive trauma por ser demasiado magra. Era das mais pequenas e magrinhas de todas as colegas da escola e o verão era uma época de grandes conflitos interiores para mim, porque ficava triste só de pensar em ir para a praia e mostrar as pernas, ou andar de saias e calções.
Depois, ao crescer e com as sucessivas mudanças que as idades trazem, comecei a sentir-me mais "normal". Já ninguém me chamava trinca-espinhas, ou libelinha, já não me diziam que estava "pele e osso" e sobretudo, ninguém me mandava comer.

Entre o fim do ano passado e o início deste ano perdi algum peso, por coisas cá minhas, absolutamente involuntárias.
Isto incomodou-me, porque nunca cheguei a ultrapassar o trauma das pernas à la Olivia Palito.
Fui à médica, fiz análises, exames e trinta por uma linha para chegar à conclusão que está tudo bem. Fiquei tranquila. Tenho 1 metro e 60 e peso quase, quase 49kg. O IMC é normal. O objetivo é chegar aos 50k, 52k daqui a pouco tempo. Sei lá, dois meses. Mas quero chegar lá a comer bem, a treinar bem e a sentir-me bem.

Se eu estou tranquila, se não tenho nada de errado, se como o que quero, na quantidade que quero e não me privo de absolutamente nada, se não estou com ar de quem tem um distúrbio alimentar nem nada que se pareça, por que raio continuam a dizer-me por entre exclamações e olhares de alto a baixo que estou "tão magrinha"? Não estou!
Por que raio me mandam comer? Já no outro dia mo disseram e hoje uma amiga repetiu a gentileza.
Parece que tenho de pedir desculpa às pessoas por ter perdido peso.
Eu não quero perder peso.
Sei que há muita gente que quer, que precisa e que se esforça para isso, mas não é o meu caso.
Não faço dietas, não faço detox, não como à base de sementes, batidos, pós, paleos e o diabo a sete, não ando a vomitar pelos cantos, não conto calorias de nada, não faço desporto como uma maluca, não falto ao respeito ao meu corpo nem à minha consciência, ao contrário de muita gente que conheço.

Então, o que dá direito aos outros para me mandarem comer?
Não percebem que é ofensivo?



E eu, em vez de responder isto tudo de viva voz, em vez de mandar as pessoas meterem-se nas suas vidas, ou mesmo de as mandar à merda, venho para aqui ventilar.
Sou uma menina, já sei.

*
*



3 comentários:

gralha disse...

Não sei se tens noção mas isso do mandar as pessoas comer é muito minhoto. Quando vem daí, não levo a mal. Até porque as pessoas não fazem mesmo por mal. Mas é realmente chato que seja politicamente incorrecto chamar gordo mas aceitável chamar magro. Caga nisso, mulher. E, já agora, por que diabo hás de ganhar 3 kg? Sentes-te bem, com energia? As tabelas de IMC são uma valente tanga.

Anita disse...

Olha... inveja... quem me dera ser assim...

Ana. disse...

pois, gralha, mas eu sou ribatejana! Sei lá, chateia-me.
:)