sexta-feira

Light, lighter!

Positive vibes only.:




Já me "queixei" aqui muitas vezes que penso de mais, que a minha cabeça não para, que sou capaz de pegar num pensamento minúsculo e transformá-lo numa verdadeira hecatombe. Acho até que errei na profissão e devia era ser guionista das novelas da 4, como as minhas presadas Cê e Mel! Isso é que ia ser uma equipa!
Ora, por motivos vários, nas últimas semanas de 2015 isto tomou proporções assustadoras, potencialmente perigosas e francamente desconfortáveis, desnecessárias e desagradáveis.

Aproveitando o facto de o ano estar a começar e de se sentir no ar este espírito de renovação e novas oportunidades, nada como pôr tudo cá para fora, mesmo correndo o risco de fazer figura de ursa, e recomeçar com o peito mais leve, com a cabeça mais serena e com a certeza de que não sou má pessoa, sou apenas imperfeita na minha realidade. Acho que todos temos, em algumas alturas da vida, sentimentos menos nobres, arestas a limar, contas a fazer com a nossa consciência e com o nosso coração.
Foi exactamente isto que fiz nesta primeira semana do ano e a diferença que sinto em mim é notória. Só lamento não ter feito este exame a mim mesma há mais tempo, porque tinha evitado algumas noites de insónia, algumas lágrimas, algumas dores de peito.

Como não quero que esta serenidade seja sol de pouca dura, decidi fazer uma coisa que já queria fazer há muitos anos e que, não obstante algumas tentativas tímidas, nunca deu grande resultado. 
Desde que faço yoga que sinto muita dificuldade na parte da meditação. Por exemplo, na última aula, o professor pediu para imaginarmos uma "névoa púrpura, brilhante que nos percorre o corpo até formar uma redoma". Isto assim dito até é muito lindo, mas imaginar a névoa, o tom, o brilho e a forma, é que foi o bom e o bonito! Não consigo, espalho-me ao comprido a pensar qual será a densidade da névoa (uma coisa primaveril ou aquela névoa grossa que desce o monte no inverno?), o tom púrpura (tipo pequeno pónei ou tipo os fatos do Prince?), o brilho da dita cuja (ofusca os olhos ou é suavezinho?) e por aí em diante. Arruíno o momento sem conseguir meditar coisa nenhuma. 

Vai daí, virei-me para o Headspace, que já conhecia da versão trial. Tenho o programinha de 365 dias para fazer, que começa com uns modestos dez minutos por dia durante dez dias e depois vai evoluindo. Gosto imenso destes dez minutos. Fico com o coração a bater mais devagar, adoro a voz do menino - que fala num inglês bonito - e parece que me deixa preparada para começar a trabalhar com maior determinação, com mais brio e com muito mais alegria.

Pode não parecer muito, mas a juntar a toda a "purga" da semana anterior, ter agora dez minutos por dia para ouvir o coração e a respiração, deixa-me leve, bem. 

Este ano promete, e a verdade é que está na minha mão, e no coração, fazer dele um dos melhores de sempre!
Ainda por cima, não estou sozinha, tenho ao meu lado uma pessoa que na sua infinita paciência para as minhas merdas e imperfeições, continua a amar-me, a dizer que me quer e que está sempre aqui, a ajudar-me a tirar as rodinhas da lama!

Up the hill we go!

*

*







1 comentário:

Melissinha disse...

Moça, de quem está dos dois lados da trincheira - novela e tradução -, digo-te, para bem da mioleira, deixa-te estar. :D

Estou contigo neste caminho por uma cabeça mais serena. Agora tenho o tal guardião do ouvido - quando estou mal, ele berra, então sou literalmente OBRIGADA a estar bem, ou pelo menos o melhor possível.

Vamos conversando, love.
Este ano vai ser o da viragem para melhor.