segunda-feira

Equilíbrio

It Is Both A Blessing And A Curse To Feel Everything So Very Deeply #quote:

Ontem, no meio de conversas e constatações, percebi uma coisa que faz todo o sentido para mim.

Às vezes gostava de ser um bocadinho mais insensível, mais impermeável às coisas e às pessoas, não porque acredite que as pessoas mais frias ou desapegadas sejam mais felizes, mas porque acho que deve ser mais fácil gerir as emoções quando não nos deixamos dominar completamente por elas. 
Não sou especial, não sou melhor nem pior do que ninguém, sinto o que provavelmente toda a gente sente, seja emoções boas ou menos boas, mas parece que não sei onde fica o meio termo das coisas. Sinto tudo tão intensamente que chega a ser cansativo. 
Quando amo, amo sem reservas, sem ponderações nem vergonha; quando me apaixono por alguma coisa, dedico-me sem peso, conta ou medida; quando embirro com alguém, não consigo avançar dali para a frente; quando não gosto de alguma coisa, não a suporto. 
É tudo tão visceral, tão abrangente, tão inteiro que esgota.
Acho que, como em tudo na vida, o ponto de equilíbrio deve ser o mais difícil de encontrar. Ser um pouco mais indiferente ao que é realmente indiferente ou menos importante e saber quando dedicar toda a emoção, quando sentir sem limites.

Não sei bem como é que isto se consegue, e sempre me tive como uma pessoa emotiva, não quero deixar de ser assim, mas gostava de atribuir emoções fortes só às coisas e às pessoas que as merecem, que sabem retribuir na mesma medida, em vez de valorizar e sentir como uma adaga tudo o que de menos bom paira à minha volta.

Equilíbrio.
É uma das minhas palavras para este ano. Para a vida.

*
*

Sem comentários: