sexta-feira

Ficam as memórias

A reminder that all the people that have left may have been good for that time, that place…it’s not always negative. But they weren't the very best. The best really do stay.:



Às vezes é preciso deixar ir os amigos.
Porque as pessoas se vão afastando, porque mudam de cidade, porque os interesses em comum já não são os mesmos, porque deixam de se interessar umas pelas outras fora do contexto que as juntou. Porque têm outros amigos com quem partilham outras coisas.
Se considerarmos essa pessoa um bom amigo, custa deixá-lo ir. Custa fazer convites que ficam sem retorno, e custa perceber que talvez não fosse assim tão bom amigo.
Se já não fosse um amigo daqueles mesmo, mesmo do peito, a partida dá-se com mais indiferença, menos mágoa, mas a mim, que sou um coração mole, custa-me sempre. É deste caso em concreto que falo: alguém que não sendo fundamental era agradável, fazia parte, estava lá. E já não está.
Ver que, ainda que tenha estado perto, a pessoa tenha decidido não dar notícias, não combinar um café, não tomar iniciativa para marcar um jantar (como tantos que se foram marcando ao longo dos anos), é meio caminho andado para os laços se perderem.
E às vezes é mesmo assim.
A vida muda, as pessoas vão e vêm; as indispensáveis ficam, as outras vão partindo.

Um bocadinho amargo, mas tão real.

*
*

2 comentários:

gralha disse...

A vida é muito mais comprida do que eu estava à espera. Não contava com isto das amizades por fases, mas é verdade. Há que aprender a lidar com isso e saber cativar os que contam. Bom fim-de-semana :)

M. disse...

É verdade. Há pessoas que são importantes em determinada fase da nossa vida, mas estão de passagem, depois vão atenuando a sua presença até que já não fazem parte. Novas amizades vão aparecendo, outras se perdem. Mas há sempre algumas (poucas) que ficam e são essas que têm verdadeiro valor. :)