sexta-feira

Amigos



Há quem defenda que a partir de uma certa idade as pessoas deixam de conseguir fazer amigos, de conhecer gente nova com quem se identifiquem e com quem sejam capazes de estabelecer ligações.
Não concordo nada com isto.
As amizades construídas na idade adulta podem não ter e inocência ou a cumplicidade das amizades infantis ou adolescentes, mas têm outras características boas porque, regra geral, as pessoas são mais confiantes, já sabem do que gostam e não gostam nos outros e além disso têm os seus limites muito mais bem estabelecidos. É mais fácil separar o trigo do joio quando se é adulto e menos influenciável.

Gosto imenso de conhecer pessoas novas, histórias novas e acho que há pessoas que fazem falta na nossa vida, mesmo que não sejam os nossos melhores amigos.
Por exemplo, comecei a fazer Zumba há coisa de um ano e dois meses e uma das primeiras coisas que me cativou, além dos ritmos calientes e do bambolear das ancas!, foi o ambiente que se sentia na sala. As pessoas sorriam, brincavam umas com as outras, com a professora, e a aula era bem mais do que uma hora de dança e treino cardio disfarçado de diversão. Senti empatia, senti uma vibração boa.
Agora, conheço quase metade das pessoas que frequentam habitualmente a mesma aula e tenho de dizer que encontrei verdadeiras pérolas em forma de gente! Pessoas com quem me identifico, com quem gosto de conversar, de brincar e sobretudo de dançar!

Por aqui pela blogosfera também fui conhecendo ao longo dos anos pessoas que considero minhas amigas, algumas delas bastante próximas e sem as quais a minha vida não seria a mesma. Partilhamos histórias, gargalhadas e angústias e ainda que longe estamos sempre por perto.

Ter amigos, em todas as diferentes gradações, é das coisas mais reconfortantes da vida e acho que nunca é tarde para descobrir pessoas novas!

:)

*
*


1 comentário:

gralha disse...

Tens toda a razão. Aliás, não há amizades de infância que se aguentem se não forem reconstruídas na idade adulta.