sexta-feira

...

Just breathe.  Cystic Fibrosis Awareness



Isto vai ser sempre assim.
Uma vez, um dos ortopedistas (uma senhora) que consultei disse-me que enquanto tivesse esta profissão, ia ter sempre estas dores, estas "crises", por culpa do desgaste, dos movimentos repetidos, das posturas que nem sempre são as mais corretas.
Perguntou-me se ponderava mudar de atividade profissional. E eu perguntei-lhe se ela podia deixar de ser médica.
É que esforcei-me tanto para estar aqui, para poder fazer isto com competência e propriedade, que me recuso a ponderar o que quer que seja.
Trabalho sem parar há dez anos. Com férias pelo meio, obviamente.
Sou uma sortuda, faço o que sempre desejei fazer. Trabalho com o que mais amo, que são os livros, as histórias, as viagens sem sair da cadeira! Mas são dez anos a escrever, por vezes a um ritmo absurdo, frenético, que massacra o corpo. Eu fazia páginas inteiras em nove minutos! 250/300 palavras em nove minutos!
No more.
Agora demoro 20 minutos para fazer o mesmo, com metade da frescura nos pulsos e no resto do corpo.
O mais difícil é aceitar que este é o meu ritmo; saber que os prazos têm de ser calculados de outra forma; e fazer muita força para que este novo compasso seja "aceitável" para os meus empregadores.
Tenho de aprender a gerir tudo outra vez. Emoções incluídas.

Com calma.

*
*

2 comentários:

gralha disse...

Não posso, infelizmente, aliviar-te a tendinite. Mas posso elogiar-te o bom senso, a coragem e a capacidade de encontrar a melhor solução possível. Grande mulher. (e pode ser que aquilo lá de andares a brincar à mulher-aranha ajude um bocadinho)

Amigo Imaginário disse...

Os meus tempos também estão muito diferentes do "antigamente"... e a capacidade de fazer noitadas nem se fala! Mas ganhei em profissionalismo, experiência e confiança. Ou pelo menos, tento convencer-me disso. :p