segunda-feira

Que dor!



Cada vez que tenho de entregar o IVA abre-se-me uma chaga no coração!
Custa-me horrores, a minha conta de IVA fica despidinha e abandonada.
Depois tenho 3 meses para sarar a ferida, para ir recheando a conta (com pouco, cada vez menos, mas tanto e que me custa tanto a ganhar) até que: chega-se assim ao último dia e puff! lá se vão os €€.
É certo que os entrego no último dia, no último instante possível e sob um imenso luto e protesto; mas entrego. Sou uma pobre contribuinte que é incapaz de ficar com um tostão daquilo que na verdade não lhe pertence - apesar de ser produto do meu trabalho e de já ter feito retenção na fonte de 25% de todas as páginas que dolorosamente me saíram dos dedos.
Custa tanto estar a dar cabo do corpo, da cabeça, de passar horas agarrada a esta merdice para depois passar recibos e um quarto do meu trabalho, das minhas dores, das minhas lágrimas não ser para mim... Para onde vai este dinheiro, que não o vejo?
Depois recebo o valor simbólico do recibo, mas tenho que devolver 23% que no fundo não são meus, mas que ali, no recibo, me dão a ilusão de que me pertencem...
Até se irem, como hoje, e me deixarem uma chaga aberta no coração. E a conta vazia.

Vou ali afogar as mágoas num cházinho de gengibre...
Odeio meses de IVA.

*
*

2 comentários:

gralha disse...

Já disse e repito que não há trabalhador mais explorado do que o que passa recibos verdes. É terrível.

(acabei de beber um chá de gengibre que me soube pela vida)

Naná disse...

Fica uma dor na alma...