sábado

Ainda Não Parei de Sorrir!



Sexta-feira. Dez da noite. Ainda tanto trabalho pela frente.
Alguém fala em cupcakes  e respondo, matava por um cupcake!

De repente, é como se não me apetecesse mais nada no mundo; já toda a gente sabe que se pudesse só comia doces, que no dia em que disserem que os doces são as novas proteínas, ou os novos vegetais, serei uma mulher mais feliz, mas enfim, são dez da noite, estou sozinha e até tenho ali bolachas acabadinhas de fazer.
Uma hora depois, tocaram-me à campainha e quando fui ver quem era, vi uma caixa roxa e cor de rosa que, a não ser que o destino me quisesse pregar uma grande partida, trazia um bolinho lá dentro.

Já falei disto muitas vezes e provavelmente vou continuar a falar, mas os gestos de bondade, de simpatia, de carinho que me dedicam deixam-me de coração cheio, quase comovida (pfft, quase!) e frequentemente na dúvida se os mereço.

Há muitas características que definem quem somos enquanto seres humanos, mas para mim, a bondade é dos traços mais nobres que alguém pode ter.
Soube-me bem o cupcake, red velvet, o meu favorito!, mas soube-me melhor a companhia, e sobretudo a intenção, o gesto.

:)


*
*





6 comentários:

Melissinha disse...

Isto foi de uma queridice sem fim!

Carla Isabel disse...

Pergunta:é costume desejares as coisas e baterem à porta???...Vou começar!;)

...Foi um mimo delicioso.

Bjinho

Naná disse...

Fogo, isso é que foi lei da atracção...

também quero!

Ana. disse...

Carla Isabel,
Podes não acreditar, mas acontece-me com frequência, sim! O universo conspira muitas vezes para me fazer a vontade!
Desta vez foram dois amigos amorosos a dar-me o miminho, o que ainda foi melhor!
;)

Ana. disse...

Naná, manda-me a tua morada, mulher, que eu mando-te um cupcake!!!!

Ana. disse...

Pois foi, mel, e fiquei genuinamente tocada...