sexta-feira

Mars




Na senda dos concertos fabulosos a que já assistimos este ano, o último foi mágico, absolutamente mágico. Há qualquer coisa de inexplicável em estar a ver e a ouvir ao vivo músicas e vozes que ouvimos centenas de vezes ao longo dos anos. E então quando ele cantou uns excertos de músicas mais antigas que esta vaga de novos fãs não conhece tão bem, mas que eu oiço desde sempre... enfim, foi maravilhoso. Was it a dream?
Não foi.

E já estive mais longe de tatuar o verso que melhor me define...

*
*

Sem comentários: