sexta-feira

Chamem-me má, que eu aguento



Não costumo comentar muito a atualidade política ou social por estas bandas.
Mas anda aqui uma coisa a envergonhar-me e a fazer-me comichão, por isso, quero deixar aqui o que acho do assunto.
Para mim, a carga policial sobre os "manifestantes" mascarados em frente à AR, ainda foi fraca em proporção com a estupidez daquela gente que, à falta de argumentos se limitou a arrancar paralelos da calçada e atirá-los a quem estava a trabalhar.
O problema é que os idiotas que atacaram a polícia - e a nossa democracia, que estes atos não são a voz do povo - não estavam ali para se manifestarem; estavam ali para armar confusão e para aparecerem nas notícias; para fazerem bonito para os amigos lá do bairro.
Assim sendo, cá por mim, ainda tinham era levado mais.

Como disse a uma amiga, só se perderam as que caíram no chão.
Lamento, obviamente, as pancadas que pessoas eventualmente inocentes também acabaram por levar. Mas quando não se respeita os avisos da polícia, que pediram às pessoas para dispersar antes de responderem aos ataques, não se é assim tão inocente, pois não?...

*
*


1 comentário:

Naná disse...

Posso ser má juntamente contigo???!!!

Eu gostava é que os que defendem que a carga foi muito grande, tivessem que fazer o exercício de estar 2h a ser apedrejados e permanecer impávidos e serenos!