sexta-feira

Vaguebooking



Há poucos dias no Facebook apareceu no status de uma amiga a noção de Vaguebooking, que aparentemente é o que se chama àqueles status misteriosos que têm como único intuito chamar a atenção dos amigos e levá-los a comentar, a fazer perguntas, a fazer likes. 
Como se aquilo que somos fosse medido pelo número de likes e comentários que as nossas entradas de Facebook têm.

Acho que andamos cada vez mais carentes, mais isolados fisicamente uns dos outros. Esta conexão virtual não chega para alimentar a alma.
E é isso que sinto hoje, dia em que várias amigas de Facebook deixaram de o ser, tristemente, não importa de quem seja a culpa (se é que a há). Sinto que as conexões que fazemos aqui são frágeis, fugazes e com um valor real diferente daquelas que fazemos no mundo físico. Fico feliz por ter transportado algumas dessas conexões do mundo virtual para o mundo físico, mas ainda assim tenho hoje a plena noção de como é fácil dar cabo delas. 

Disse hoje algures que nem todas as pessoas que nos rodeiam nos fazem bem e que é preciso deixá-las ir. 
Julgo que é verdade, embora triste.
E hoje, eu que tenho sempre a mania que sou durona e implacável, disse algumas verdades e fiquei triste. Por todos os envolvidos.
Se neste momento me apetecesse fazer vaguebooking, o meu status seria

Escusava de chegar a isto...
(não esquecer as reticências, elemento fundamental para atrair likes!)

*
*

1 comentário:

Naná disse...

Ana, por partes...

Detesto vaguebooking! Acho mesmo que são chamadas desesperadas de atenção e como não a conseguem de outra forma... apesar de ter uma queda para encontrar bons post de vaguebooking, faz-me espécie quem usa isso habitualmente, fico com a sensação de que têm ali uma lacuna qualquer...

Quanto às amizades virtuais, valem o que valem. Umas conseguem realmente perdurar mais tempo que uma amizade real e física. Mas lá está, isso depende da natureza das pessoas e eu estou convencida cada vez mais que muita gente que anda nas redes virtuais é tão genuína ou falsa como o é na vida real...