segunda-feira

Ser Mais Feliz Assim



Adoro a minha vida.
Os meus momentos são maioritariamente felizes; apesar de também ter sombras e instantes mais negros, quando  me perguntam se sou feliz a minha resposta instintiva é dizer que sim, sou feliz. Porque é o que sinto.
Tenho inseguranças como toda a gente, aos mais variados níveis: Será que vou ser sempre amada como sei que sou agora? Será que vou continuar a ter trabalho? Será que toda a minha família continuará a ser saudável? Será que um dia vou conseguir perder este pneuzito parvo que tenho à volta da cintura?
Isto não chega para me tornar numa pessoa ansiosa ou amedrontada. Não vivo com medo do futuro, acho que este vai continuar a ser brilhante, que as grandes tragédias e sofrimentos me vão sempre passar ao lado, que tirando os percalços terríveis mas naturais da vida, como por exemplo a morte dos meus pais - em que nem consigo pensar - , tudo me vai correr de feição. E quando digo que "me vai correr de feição" englobo naturalmente aquelas pessoas que amo, porque se as coisas não correrem bem para elas, também não correm para mim. O meu optimismo é de tal forma que chega para contagiar a vida dessas poucas dezenas de pessoas que realmente ME importam.
É incontestável que o que acontece na vida dos nossos acontece na nossa vida também. É verdade que neste momento nem todas as minhas pessoas estão tão bem como eu gostaria que estivessem; enfim... há uma série de coisas que podiam ser melhores, que me ensombram alguns momentos, mas que tenho a certeza que vão melhorar, que vão "consertar-se".
Não sei se este meu optimismo é uma atitude de avestruz, mas prefiro pensar que pensando no melhor, preparando-me apenas para o melhor, vivo mais feliz, aprecio melhor os bons momentos e não sofro por antecipação com nada.
Se existir realmente um livro onde a nossa vida está registada, prefiro acreditar que na minha vida vai haver mais coisas boas do que menos boas.
E sou mais feliz assim.

*
*


2 comentários:

Melissinha disse...

E estás coberta de razão.

Naná disse...

Assim é!
Mesmo tendo passado pela morte dos meus pais, tenho essa mesma postura de vida!
E sim, sinto uma falta tremenda deles, especialmente em momentos felizes, mas afirmo que sou feliz!