segunda-feira

E agora uma pausa, que estou com a cabeça feita em água...

No sábado fui à festa de anos do filho de uns amigos.
Lá, cruzei-me com uns amigos dos amigos que já conheço há uma série de anos (embora a rapariga não faça ideia do meu nome!) e que agora têm um puto com dois anos e meio.
A rapariga (a tal que não sabe o meu nome) é daquelas pessoas que fala, fala, fala, e fala (muito mais do que eu, que toda a gente diz que sou tagarela... mas muito mais mesmo) mesmo quando não tem afinidade com as pessoas com quem está a falar.
Já é a segunda vez que a vejo desde que o puto nasceu e se antes ela falava do trabalho, das colegas, do trânsito do Porto e do tempo, agora fala... do filho. E do filho. E do filho. Ah! E também fala do filho!
Assim, em cerca de duas horas fiquei a saber quantas cores o puto identifica, quantas vezes foi ao pediatra, que gosta de fazer comboios com carrinhos, que vira as pernas para trás e só aos cinco anos é que o ortopedista vai dizer se precisa de usar talas, que tem uma pele não sei quê na pila, que acorda não sei quantas vezes por noite, que já não tem fralda desde julho, que... que... que... Cristo!! Menos, pá!
Entrei na casa dos meus amigos já ela estava a falar; quando saí ela continuou a falar e só se calou na hora de cantar os Parabéns a Você!
Tudo isto regado a "Olha para a mãezinha! Vira as pernas para a frente, filhinho! Diz lá à menina (eu!) como é o nome completo do pai! E o da mãezinha? E o teu?"
...

Pensei cá para mim que ter filhos deve ser muito giro, maravilhoso mesmo para quem tenha vocação para isso. Mas é muito triste que uma mulher quando tem um filho deixe de ser mulher, deixe de ser um ser social, para passar a ser apenas... Mãe!
E quando o filho crescer e quiser bater as asas? Ela vai falar de quê?

*
*

6 comentários:

gralha disse...

Do caniche. Ou do gato. Ou dos netos. Tenho tanta pena dessas pessoas...

pekala disse...

então,há-de falar dos netinhos:D AHAHAHHAHAHAH (mas faz por não a veres nunca mais)
p.s.imagina,o Carlos está com uma borbulha na testa,mesmo no meio!o Carlos já conta até 100 sabias???e o Carlos fez um cócó gigante havias de ter visto!)
(ruuuuuuuuuuuuuuuuuunnnnnnnnnnnnnnnnnn)

Ana. disse...

@ gralha! Pois, é isso. Eu também tenho pena, mas acho que estas pessoas são felizes. E tudo bem.Somos todos diferentes.

@Pekala! Olha que te bato!! Aí está outra coisa que nunca entendi: a fixação das mães pelos cocós dos filhos! já ouvi relatos absolutamente no-jen-tos!!, mas feitos com toda a naturalidade!!
É assim uma conquista tão arrebatadora, ter un trânsito intestinal regular?!!
;)

Princesa Tagarela disse...

...não sei o quê na pila ?!?!? ...é lindoooo!! :D

Olha se resolve falar dos cocos... aiii gosto muito de mim quando oiço estes relatos!! :P

pekala disse...

e ouvi-los à hora de almoço?ainda por cima vindos de uma gaja supra-sumo-mega-intelectual da informática cuja mãezite aguda desceu nela?nós,eu e duas colegas tbm mães,a olharmos umas pras outras cheias de vontade de parvejar e a nossa conversa foi a seguinte:"então e o cócó da tua filha tudo bem?" e a outra "sim,tem bom aspecto"
AHAHAHAHAHHAHAHAHAH

pekala disse...

(fora de brincadeiras,um trânsito intestinal regular é uma conquista do caraças quando tens um bébé que,por ex,não caga há uma semana.referi-lo publicamente é pura estupidez,mas é uma conquista privada do caraças:p)