quinta-feira

I Wonder...

Sim, é preciso agitar as águas...




Eu sei que as pessoas têm o direito de se manifestarem contra o poder instituído quando esse poder não as protege tanto quanto devia (ou quando as massacra mais do que devia).
Sei que a greve é um direito, como é o voto - sendo que este também é um dever cívico.
Mas não entendo que num país onde a percentagem de abstenção nas últimas legislativas rondou os 50% se faça uma greve geral para protestar contra os "roubos" do governo e da troika.

É que, na minha maneira de ver as coisas, quem vai pagar o que hoje não se produzir por causa da greve vou ser eu, todos os que trabalham hoje e os que decidiram marchar com cartazes na mão pelas avenidas de Portugal abaixo.
O país precisa de produzir, é com trabalho que se ganha dinheiro, que se pagam dívidas, que se conquista uma vida melhor; não é com greves.
Se em vez de mostrarmos como adoramos fazer greves à quinta-feira - com jeitinho tira-se a sexta e faz-se um fim-de-semana grande - podíamos mostrar como somos bons a trabalhar, como conseguimos fazer frente à adversidade e ultrapassar obstáculos.

E só mais uma constatação breve: em dia de greve, a blogoesfera e as redes sociais estão tão calminhas e caladinhas como se fosse fim-de-semana... Por que será?!

*
*

2 comentários:

pekala disse...

verdade;) eu tive que tirar o dia porque a escola do míudo fechou e sim,tbm concordo em absoluto com o direito à greve e sim,estranho sempre imenso ver uma série de posts e mensagens a horas em que normalmente se está trabalhar (ou se devia estar);)
a preguiça é uma coisa lixada!

Princesa Tagarela disse...

Ora nem mais coração!!
:))