domingo

Esquizo...

Já há algum tempo que tenho vindo a apanhar umas "pistas" acerca da maneira como sou construída - afinal já vão trinta e sete verões e uma pessoa começa a aprender umas coisas!
Disse no texto anterior que estou a passar pelo período mais preguiçoso de que tenho memória e a verdade é que a explicação é simples: quanto menos faço, menos tenho vontade de fazer.

Quanto menos trabalho num dia, menos vontade tenho de trabalhar no dia seguinte.
Quanto menos me armo em carochinha cá em casa, menos vontade tenho de passar roupa, limpar chão e lavar janelas (!).
Quanto menos vou ao ginásio, menos vontade tenho de ir.
Quanto menos escrevo, leio, ouço música, menos vontade tenho de ler, escrever, ouvir música.
E o mesmo se verifica com os doces que como. Triste, eu sei.

Preciso de combater esta indolência, esta calanzice, esta tendência parva para me enterrar no sofá a ver programas de culinária e de vendas de casas em países solarengos a reformados ingleses!
Tirando a parte dos doces - que era giro manter - vou tentar fazer mais de tudo (roubando obviamente tempo aos programas de culinária e vendas de casas), porque a verdade é que mesmo que faça tudo o que é suposto, assim com ritmo, com método e vontade crescente, ainda me sobra um tempinho para desperdiçar.

Não posso queixar-me de ter pouco tempo, mas queixo-me de o aplicar muito mal. Shame on me.

*
*

5 comentários:

Melissinha disse...

Inspiraste-me, agora, MêLê. Obrigada.

Ana C. disse...

Quanto mais tempo temos em mãos, menos conseguimos geri-lo. O melhor é mesmo tentar ocupá-lo e rentabilizá-lo o melhor (humanamente) possível.
Eu consigo ver Beach House Down Under, porque gravo na box e depois vejo no momento do dia de preguiça :)
TINHA SAUDADES DISTO, MIÚDAAAAA!!!!!!!! Ainda bem que regressaste.

Ana. disse...

Sempre às ordens, Mel!

Ahhhhhh! Também gosto do Beach House!! Às vezes fico um bocadinho irritada por ter vista para a serra em vez de para o mar, mas enfim!
;)

Melissinha disse...

Vocês não batem.

Naná disse...

Ahhhh, conseguiste escrever na perfeição o que se passa comigo... só que a mim acontece-me no local de trabalho... não, não vejo o programa das casas do FNL no trabalho... mas estou no trabalho a procrastinar e só penso no que queria estar a fazer, mas fora daqui! e lá fora há tanto que fazer!