segunda-feira

Nada de Nada


É absolutamente angustiante assistir ao desmoronamento da vida de alguém que nos é querido e não poder fazer nada de nada.

Porque as palavras não confortam, não resolvem, não minimizam.

É esmagador ouvir o relato dos acontecimentos, imaginar a dor e continuar a não poder fazer nada de nada.

É assustador pensar no futuro e em todas as questões práticas da vida (que continua) e sentir que se pode fazer muito pouco...

E no fundo, ninguém está livre.


*

*

2 comentários:

pekala disse...

ninguém mesmo.apetece-me abraçá-la.
:(

JS disse...

Podes crer...

Beijinhos***