terça-feira


Stop being a crybaby!


Quando tenho mesmo de trabalhar e o cansaço se começa a fazer sentir, tudo constitui um problema.
A luz que não é suficiente, o livro que não se aguenta de pé, a cadeira que faz doer as costas, os pés que não chegam ao chão...
Tudo serve para complicar.
E depois, de vez em quando, passa-me um 33 pela frente, mando tudo à merda e transformo-me na pessoa crescidinha que sou, que tem todas as condições e mais alguma para trabalhar feliz e realizada.
Que p*ta de mania de me estar sempre a queixar de tudo e mais alguma coisa!
Mau era não ver, mesmo que estivesse do olhos virados para o sol.
Mau era não ter livros com que trabalhar.
Mau era não ter uma cadeira onde me sentar.
Mesmo muito mau era não ter pés...
Vá lá parar com a choraminguice e andar para a frente com isto, que não me pagam para me queixar!
Já pareço a protagonista da história que a Amália contava: (Ia uma senhora no autocarro a chorar enquanto dizia "Ai que tenho tanta fome!" Um homem, compadecido, deu-lhe uma carcaça, para aliviar o sofrimento à pobre senhora. A senhora come a carcaça e começa a chorar e a dizer "Ai que eu tinha tanta fome!")




Apre!

*
*


3 comentários:

Naná disse...

infelizmente, nós somos uns "bichinhos" que nunca estamos satisfeitos com nada... se temos é porque temos, se não temos é porque não temos, se temos um bocadinho, queremos um bocadinho maior, depois quando o conseguimos, queremos outro ainda maior!... e por aí a fora!
Como diz um colega meu: se eu vivo mal?? Não... mas podia viver melhor!...
Já eu digo: se eu vivo mal? Não! Há quem viva muito pior e com muito menos!
E esses, as mais das vezes não têm tempo ou natureza para se queixar...

Ana. disse...

Naná!!
Há quanto tempo!

É preciso mudar esta maneira desgraçada de pensar, não achas? Para sermos mais felizes...

;)

Naná disse...

É verdade... tenho andado arredada... mas de vez em quando espreito!
Sem dúvida que seríamos mais felizes!
E tenho um excelente modelo: a minha tia de 78 anos, que não se vai abaixo com nada!
Eu e a minha prima dizemos que tomara nós chegarmos à idade da reforma com o espírito e a genica daquela senhora.
Um dia escrevo um post sobre essa grande sr.ª que me tem ensinado tanto!