segunda-feira

Friendship Makes The World go Round!

Imagem tirada da Net



Acho piada à maneira como a empatia entre as pessoas aparece.

Por vezes nem damos por nada; conhecemos alguém que até é simpático, percebemos que somos de gerações e background culturais semelhantes, começamos a conversar e quando damos por ela já somos amigos. Falamos sem constrangimentos daquilo que recheia as nossas vidas, permitimo-nos brincadeiras, piadas e cumplicidades que julgávamos estarem reservadas apenas para as nossas "pessoas".
E crescemos enquanto indivíduos. Porque conhecer outras perspectivas de vida, outras realidades e perceber que as nossas questões individuais também são entendidas enriquece-nos.

Eu sempre gostei de conhecer gente. Gosto de conhecer as histórias das pessoas que me interessam e gosto de partilhar as minhas próprias histórias.
Já me aconteceu ter grandessíssimas desilusões, mas continuo a achar que a disponibilidade para conhecer gente nova é um dos grandes sinais de vitalidade da nossa estrutura social.

Não troco os meus amigos por nada deste mundo. Tenho excelentes amigos, que me podem valer quando preciso deles, que me acham piada (vá-se lá saber porquê!!) e que me fazem rir tão despreocupadamente como uma criança, sem qualquer preocupação nem observações de convenções sociais.

Mas amigos nunca são de mais.
Todos têm o seu lugar próprio, a sua função.
E todos me fazem bem.

*
*

2 comentários:

Ana Paula disse...

Olá Ana!

A propósito da amizade e da empatia, ou vice-versa, se quiseres, é bom, é muito bom!Experimentar perspectivas diferentes, olhar com outros olhos, não dizer nada e tudo ser percebido, só com amigos, com verdadeiros amigos.
Sabes, nunca escolhi os meus amigos, mas quem o faz, fá-lo muito bem!

Beijos

Ana. disse...

Eu também não escolho os amigos, mas lá está, a empatia que desenvolvo com algumas pessoas acaba por determinar quem fica para amigo e quem fica pelo caminho!

Não sei se é bom ou mau, mas é assim!

;)