sexta-feira

Contador


Ultimamente tenho andado a conter-me.

Perguntaram-me se ando sem inspiração, um querido e desconhecido anónimo mandou-me um e-mail a perguntar por que motivo os meus textos andam ultimamente tão irregulares, tão superficiais... o e-mail era realmente simpático (só por isso falo nele), no entanto não vinha assinado, não tenho como responder e também não sei se me apetece.

Mas fiquei a pensar.

Porque por vezes há alturas em que de facto me falta a inspiração. Alturas em que ando tão ocupada, com a cabeça tão cheia de tudo e mais alguma coisa que não consigo encontrar palavras para aqui colocar.

Não é o caso.

Tenho muito dentro de mim que gostava de dizer e contar. Não que sejam coisas de interesse planetário, são só as parvoíces do costume, os macacos que me habitam o sótão...
As últimas semanas foram até muito ricas em termos emocionais, o que noutra altura daria uma boa remessa de textos.

Mas não sei porquê, desta vez apetece-me guardá-las, cada uma na sua gaveta, em vez de as partilhar com as pessoas que me vão lendo.
Isto é engraçado, porque em última análise escrevo para mim, não faço textos assim ou assado para agradar a ninguém. Mas da mesma forma que por vezes sinto necessidade de deixar registados os meus desvarios, outras prefiro deixá-los bem arrumadinhos (ou caoticamente ordenados) no meu contador...

Ainda ontem falava disto com uma amiga, como seria prático arrumar as diversas coisas que nos ocupam a cuca em gavetinhas absolutamente herméticas.

O meu contador tem muitas gavetas.
Nem todas estão ocupadas e nem todas estão bem arrumadas, bem fechadas...
Numas tenho o Amor, noutras os Desejos, noutras a Liberdade, noutras ainda a Saudade. Muitas estão cheias de Sorrisos, de Amizade, de Confiança. Tenho uma ou duas fechadas com oito chaves (adoro subverter as expressões populares e moldá-las à minha vontade!!) porque nunca mais as quero abrir.

Tenho tanto, tanto a inundar-me a cabeça, o coração e a alma que mesmo que quisesse começar a sistematizar não saberia por onde começar.

Por isso, por enquanto, mantenho-me assim, menos inspirada para uns, mais fechada para outros.
Guardo tudo dentro de mim e quando/se me começar a sufocar logo se verá.


*
*

10 comentários:

Lebasiana disse...

vá... organiza-te da melhor maneira! o blog é um "passatempo" e não uma obrigação! fica bem! ;)

jocas

Anónimo disse...

Gosto da ideia das gavetas, onde podemos guardar os nossos segredos e desejos!

bj
*

Catarina disse...

Que lindo, quem me dera conseguir pensar assim e não desesperar com a confusão dos pensamentos.

Ana. disse...

Lebasiana,
Mas eu nunca encarei o blogue como uma obrigação, longe disso.
Nem sequer organizar-me é uma obrigação!

;)

Ana. disse...

Há gavetas para dar e vender!
Tantas quantas forem necessárias, do tamanho, profundidade e forma possíveis e imaginárias!

;)

Ana. disse...

Catarina,
Bem-vinda!
Quem te disse que a confusão dos pensamentos não me desespera?!

;)

ana PAULA disse...

O teu contador leva-me a uma pergunta... mas PORQUÊ?
Deixa-me falar-te de empatia, de pessoas e de olhares que nos tocam! Mas porquê?
Não sei... mas agrada-me este mistério da vida! Encontrar pessoas, entre tantas outras, que nos tocam de forma diferente, que nós sentimos de forma diferente, que nos preenchem de forma especial. Quando isto acontece pensamos, sentimos... e só assim somos verdeiramente livres!

Beijos

Ana. disse...

Ai Paula, Paula!
Mas Porquê? Eu só queria saber porquê?

Adorei o teu comentário. Quase tanto como a nossa conversa do outro dia!
E sei que me entendes.

Esta vida é engraçada, quando achamos que já temos todos os amigos de que precisamos, recebemos verdadeiros presentes em forma de gente!

Beijinhos
;)

Maria José disse...

Ai Meninas!

A vida é cheia de surpresas!!...
Há momentos inesquecíveis e coisas inexplicáveis!...
Há pessoas que aparecem na nossa vida e nos tocam de formas diferentes. Se por um lado ficamos confusas, por outro lado despertam em nós outros pensamentos, sentimentos, emoções e sensações!Acho que nos sentimos vivas!!...
Para mim são jardins secretos e alguns proibidos!!!
Continuo adepta de Freud. O nosso id (inconsciente) é um autêntico jardim de pulsões, tendências e desejos.O ego(consciente)tenta ser moral. O super-ego é o hipermoral. Daí os recalcamentos!...

Beijinhos

Ana. disse...

Zé!
É oficial! Não morro de amores pelo meu ego e odeio o super-ego!

Estavas inspirada!
Beijinho!
;)