sexta-feira

Tempus Fugit?


É raro considerar que o tempo é perdido em alguma coisa.
Normalmente encaro o passar do tempo como um investimento, uma concessão.
Quando passo tempo numa fila, se tiver um livro para ler, uma revista para folhear, não estou a perder tempo, estou a aproveitá-lo para pôr a leitura em dia. Enquanto espero pela minha vez.

Gosto de fazer embrulhos diferentes nos presentes que ofereço. E na época do Natal normalmente tiro um dia para escolher os papéis ou tecidos, as fitas, as decorações, as etiquetas e outro dia para os embrulhar. Todos diferentes, o mais personalizados possível, todos lindos!
Pois já ouvi: "Por que perdes tempo com isso? É para rasgar!"

Passo a explicar:

Eu não perco tempo.
Primeiro porque estou a fazer uma coisa que me dá um incomensurável prazer, depois porque gosto dos sorrisos que os meus embrulhos suscitam.
Logo, estou a investir tempo por dois motivos válidos.

Outra pergunta que me intriga:
- "Duas horas no ginásio? Tanto tempo?"

Resposta:
Para quem trabalha todo o dia sozinha, como eu, para quem fala com os gatos só para poder ter a sensação de que está menos só, duas horas no ginásio ou em qualquer outro lugar onde se veja GENTE são antes de mais um investimento a bem da minha sanidade mental; se ao mesmo tempo posso ir melhorando a minha condição física, tanto melhor.

A única coisa que me faz perder tempo são pessoas e situações idiotas.

O tempo passa-nos por entre os dedos, às vezes parece que se esfumou, é certo, mas se for aplicado em coisas válidas - mesmo que seja passar uma tarde inteira esticada no sofá; se me dá prazer já valeu a pena - o tempo transforma-se em alegria, em satisfação, em sensação de dever cumprido.

Às vezes parece que não temos pura e simplesmente tempo para fazer tudo o que gostaríamos. É verdade. Às vezes sentimos que os nossos dias deviam ter 48 horas. Às vezes na nossa ânsia de viver sentimos que somos imortais.

Não somos, porque bem ou mal aplicado, o tempo passa. Inexoravelmente.
Por isso, mais vale tirar o melhor partido possível dos segundos que nos restam.
E viver bem. Sem contratempos.

*
*

1 comentário:

Lebasiana disse...

eu sinto que perco muito tempo a conduzir... E PASSO-ME, porque detesto faze-lo!

jocas ;)