terça-feira

Barulho


Imagem tirada da Net



Não há relaxamento ou técnica de descontracção que me valha.

A minha cabeça está, como sempre esteve, inundada de ruído, pensamentos, ideias, gritos, alarmes, buzinas.
Não tenho um minuto de descanso.
Desde que me lembro de ser gente que me deito a pensar, num suposto silêncio, em tudo e em nada, em coisas úteis ou nem por isso. Mas nunca consigo estar em silêncio.
Habituei-me a conviver com várias buzinas, sirenes, apitos, o que lhe quiserem chamar, permanentemente instalados dentro da minha cabeça.
Não param. Aumentam e diminuem de intensidade consoante o meu cansaço, consoante o vazio de ideias e deixam-me louca.
Há dias que nem dou por elas.
Outros em que soam todas tão alto, umas mais agudas outras mais graves, que mal me ouço a pensar e tenho verdadeira dificuldade em ouvir o que me rodeia.
Já fui ao otorrino, já fiz trinta por uma linha e fisicamente não tenho nada que justifique estas buzinas... Diz ele que tenho a audição de um jovem de vinte anos! Excuse me?
Os zumbidos são normais e não têm causa patológica.
É só o barulho que vive na minha cabeça...

E que me deixa doida.

*
*

3 comentários:

Nikky disse...

De certeza que o relaxamento e a meditação não resultam?

Ana. disse...

Não têm resultado, Nikky.
Então quando me põe a visualizar formas geométricas coloridas e pulsantes para "esvaziar" a cabeça, é o fim da picada! A minha cabeça viaja à velocidade da luz e tenho sempre a banda sonora das buzinas...
Às vezes cansa.

Nikky disse...

Por isso é que eu acho que a meditação pode ajudar. Eu tenho défice de atenção e a mim ajudou-me a seleccionar os estímulos a que posso dar atenção, porque tal como tu, tenho sempre um milhão de coisas a circular por dentro a uma velocidade estonteante...