quinta-feira

Ser Bom Jardineiro


O amor para mim é como se fosse uma planta.
Talvez não uma planta vulgar, qualquer coisa mais requintada, que precisa de cuidados especiais, mas cuja beleza se pode admirar em qualquer altura.

Talvez possa ser um Bonsai.
Que é pequeno em escala mas grandioso em beleza.

É preciso regar com regularidade, alimentá-lo com vitaminas para se manter viçoso, dosear bem a água, fazer escolhas difíceis e cortar algumas das folhas mais novas para que todo o conjunto se mantenha forte e estruturado.
Deve ter um lugar privilegiado: nem muito sombrio nem demasiado solarengo.
Deve ser olhado com admiração e respeito, porque se for bem cuidado acompanha-nos durante uma vida inteira.

As pessoas que cuidam dele devem ser atenciosas, ponderadas e ter espaço para absorver no seu íntimo a beleza que dele emana e jamais podem tomá-lo como garantido, porque a qualquer altura, vem um dia de mais calor e o Bonsai seca.

Sem água, sem cuidado, sem carinho, a árvore definha, as folhas caem, a tristeza instala-se dos ramos até à raiz e depois é difícil, por vezes até impossível, ressuscitá-la...

É como o amor.
Exactamente como o amor.

*
*

5 comentários:

Joanissima disse...

És tão linda, tu... e tão sábia....

Ana. disse...

Doida, Joanissima!
Qualquer dia começo a falar ao contrário como o Yoda!!

;)

Ana C. disse...

Eu desisti dos bonsais, morriam todos, até levámos um deles para um hospital de bonsais (ah ah), mas em vão.
Só posso concluir que ter um bonsai para cuidar e um amor para fazer durar é areia demais para a minha camioneta...
Adorei as tuas palavras.

Ana C. disse...

Vai buscar selo ao meu local de escrita por favores :)

Azzrael disse...

Olá!
Já por uma vez ou outra vim parar a este blog, não me recorda se já cá deixei a minha marca.
Relativamente aos bonsais penso exactamente a mesma coisa sendo inclusivé um pouco supersticiosa.
Um namorado deu-me uma lindissima, já com muitos anos. Que curiosamente foi sofrendo situações pouco tempo antes, ou pouco tempo depois de na nossa relação acontecerem situações. Acabando por morrer meses ou um ano depois, pouco antes de a nossa relação morrer também. Ainda hoje mantenho em casa o vaso com a dita toda sequinha.
Com a minha melhor amiga aconteceu exactamente a mesma coisa, uma fase que assisti bem de perto e da bonsai que morreu nasceu um rebento que dura 4 anos, juntamente com a sua nova relação.
Estranho ter colocado tanto do meu modo de pensar aqui num espaço e para alguém que não conheço e que nem me conheçe. Mas aqui fica o meu registo.
O amor é de facto como uma bela bonsai. Se não for cuidada, morre.
Peço desculpa pela intromissão.

Azz