quarta-feira

Voltar Atrás

Imagem tirada da Net


Há coisas que não deviam acontecer. Ponto.
Nem eu, que sou uma optimista empedernida consigo encontrar um fundamento ou propósito para algumas coisas que se vêem por aí.

Já aconteceu há alguns dias, mas só agora é que consigo escrever com clareza.

Ia numa das ruas de Braga quando vi uma velhinha com uma bengala encostada a uma parede. Não era uma velhinha maltrapilha nem suja. Tinha um carrapito e um rosto redondinho, parecia mesmo uma avózinha.
Quando passei por ela, estendeu-me a mão e pediu-me uma esmola.
Fico sempre chocada com esta palavra, com este gesto, com este desespero.

Baixei os olhos e continuei a andar. Não tinha dado três passos e já estava com os olhos cheios de água. Que merda de sociedade!
Continuei a andar, odiando a circunstância que tinha levado aquela velhinha a pedir esmola no meio da rua e odiando a minha crueldade por passar por ela sem a ajudar, com dinheiro na carteira e no banco.

Vinte metros depois não aguentei mais e voltei para trás, com um nó do tamanho do mundo a comprimir-me a garganta.
Abri a carteira e dei-lhe o dinheiro que tinha.
Quando me viu voltar para trás de carteira na mão, a velhinha ficou comovida e disse-me que Nossa Senhora me protegesse.

Só não chorei por vergonha.

Fui-me embora revoltada com esta merda de mundo que obriga uma senhora que devia estar em casa, resguardada do calor, a mendigar na rua.
Não sei se era para medicamentos, para comer ou se era mais uma velhinha cujo filho agarrado lhe suga tudo o que tem (e em alguns casos até as obrigam a pedir para eles poderem comprar droga), mas sei que o dinheiro que lhe dei me ia pesar na carteira e não me ia trazer conforto nenhum.

Assim que entrei em casa deixei sair tudo.
Porque me custa ver os idosos maltratados.
Porque há coisas que eu não entendo.

*
*

4 comentários:

Rainha Mãe disse...

São situações de partir o coração mas pelo menos tiveste a coragem de voltar atrás. Quantas vezes fingimos que não vemos só para evitar o nosso sofrimento?

Ceres disse...

Olá Ana,
É a primeira vez que comento no teu blog mas não podia deixar de fazê-lo hoje...
Fizeste-me chorar... É tão injusta esta situação que me deixa sem palavras e apenas com um sufoco na garganta...
Agradeço e admiro-te por teres voltado atrás... pelo menos nesse dia a sra já não se sentiu apenas mais um ser invisível...

Miguel disse...

As pessoas nem imaginam o ponto a que alguns idosos são maltratados... só quem trabalha no meio... se soubesses o número de velhos que são abandonados nos hospitais...

rosemary disse...

Que realidade tão triste. É tão injusto chegar a essa idade e ter que andar na rua a pedir esmola. Demasiado cruel...

Bjs*