terça-feira

Aos Sapos Encantados Deste Mundo




Eu sempre achei uma injustiça terrível a velha fábula do sapo que se transforma em Príncipe Encantado depois de receber um casto beijo de uma princesa desesperada (e a caminhar para tia).

Supostamente o sapo foi usado na história porque é mais ou menos aceite que é um animal feiinho e algo viscoso, sendo por isso o contraposto perfeito em relação ao príncipe - que manda a tradição que seja Encantado, louro, alto, de físico bem "sarado" e de olhos azuis, sob pena de, se não cumprir algum destes requisitos tão específicos, já não poder ser Encantado, mantendo apenas o título nobiliárquico.

Neste ponto aproveito também para deixar registado que não tenho nada, nadinha mesmo, contra homens louros, altos, de físicos bem "sarados" e de olhos azuis, (nem contra os morenos, altos, de físico bem "sarado" e de olhos verdes, castanhos, pretos ou assim-assim) e contra os Príncipes Encantados muito menos.

A mim o que me chateia é a injustiça em relação aos adoráveis batráquios.

Porque não evocar uma lampreia, um leão marinho ou uma hiena como o fiel receptor da maldição da bruxa das verrugas? Esses sim, são animais pouco abençoados pela beleza.(Nesta categoria também se inclui a bruxa!)

Agora um sapinho?!

Náááá.
*
*

Sem comentários: